"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

junho 21, 2013

Sobram motivos para protestar

http://3.bp.blogspot.com/-oWuCjg8h3IQ/TnTtHC8tj4I/AAAAAAAAE_U/p5ram_YT1gc/s640/_MAR0278.jpg
A indignação das ruas reflete um descontentamento que se traduz em números, como os revelados pela mais recente pesquisa feita pelo Ibope.

O levantamento divulgado ontem confirma o declínio do prestígio de Dilma Rousseff e mostra que a multidão tem muito mais motivos além dos centavos agora retirados das tarifas de ônibus para continuar a protestar.

A queda captada pelo Ibope é da mesma magnitude daquela que o Datafolha aferiu há duas semanas:

oito pontos percentuais.

Agora, 55% consideram ótima ou boa a gestão da presidente da República, ante os 63% de três meses atrás.

Além disso, agora 25% também desaprovam a maneira de Dilma governar e 28% dizem não confiar na presidente.

Há na pesquisa mais um dado especialmente significativo: enquanto no Datafolha a avaliação negativa da presidente apenas variara dentro da margem de erro (de 7% para 9%), no Ibope o índice dos que classificam seu governo como ruim ou péssimo quase dobrou, passando de 7% para 13%. Para 32%, a atual gestão é regular.

O prestígio da presidente cai em todas as faixas de renda, em todas as regiões e estratos sociais. Entre quem ganha acima de dez salários mínimos, a queda dos que aprovam a gestão dela foi a mais significativa: 27 pontos, de 77% para 50%.

Mas também alcançou os de renda intermediária (dois a cinco mínimos), com redução de 78% para 69%.

No Sudeste, caiu 13 pontos.


Dilma até teve sorte, porque os pesquisadores do Ibope foram a campo entre 8 e 11 de junho, antes do estouro dos protestos pelo país.

Fosse feita hoje, é possível que muito mais brasileiros associariam o aflorar dos descontentamentos à inapetência da presidente para bem governar. Saindo da avaliação geral para a de áreas específicas, a desaprovação à atual gestão é ampla, geral e quase irrestrita.

Das nove áreas de atuação do governo avaliadas, seis são desaprovadas pela maioria da população: 
segurança pública, 
saúde, 
impostos, 
combate à inflação, 
taxa de juros e educação.

Numa das outras três em que Dilma ainda consegue mais aprovação do que rejeição (a do combate ao desemprego), a tendência é de forte declínio:
a diferença positiva era de 17 pontos há três meses e agora é de apenas sete.

Merece destaque a avaliação que os brasileiros fazem da atuação do governo de Dilma no combate à inflação. Três meses atrás, segundo o Ibope o país dividia-se igualmente entre os que a aprovavam e os que a reprovavam. Agora, a desaprovação subiu dez pontos, para 57%, e nunca foi tão alta nesta gestão. A aprovação caiu o mesmo tanto, para 38%.


Dilma também detém enormes saldos negativos quanto a suas políticas de segurança pública (67% desaprovam e apenas 31% aprovam, na pior de todas as avaliações), saúde (66% a 32%) e impostos (64% a 31%). Na política de juros, o placar desfavorável é de 54% a 39% e na educação, de 51% a 47%.

Levantamentos como este servem para dar contornos mais nítidos aos motivos pelos quais milhares - talvez já sejam milhões - de brasileiros por todo o país decidiram deixar a tranquilidade dos seus lares para ir para as ruas reclamar.

Claro está que as passagens de ônibus foram apenas o estopim da revolta.

Poderia haver alguma esperança se Dilma viesse demonstrando maior desenvoltura e preparo para ocupar o cargo para o qual foi eleita há quase três anos. Mas o que tem acontecido é justamente o contrário: uma presidente que, de maneira recorrente, se apequena na função, foge dos problemas e parece mais preocupada com seu futuro político do que com o presente do país.

Uma presidente que, ao menor sinal de apuro, recorre a quem está de prontidão para dar conselhos à sua pupila - provavelmente, poucos deles úteis - ou para tentar encontrar, por meio do marketing, uma forma de distorcer a realidade de maneira a fazê-la caber nas artimanhas eleitoreiras de seu projeto presidencial.


"Ela, que tanto intimida a sua equipe com seus modos autoritários e a certeza de ser a dona da verdade, tornou a demonstrar que, na hora H, não é ninguém sem dois conselheiros.

Um é o marqueteiro-residente do Planalto, João Santana. O outro, claro, é o seu progenitor político Luiz Inácio Lula da Silva", resume O Estado de S.Paulo em editorial em sua edição de hoje. Dilma Rousseff vai conseguindo descontentar a tudo e a todos. Até os seus já não lhe suportam.

Os sindicalistas não lhe querem e preferem tratar com quem continua mandando de fato. Os empresários sonham em vê-la pelas costas.
E o povo, nas ruas, transforma o que antes era dissimulado em rugido ensurdecedor.
Como mostra o Ibope, todos têm razões de sobras para estarem descontentes e para protestar.
 
Instituto Teotônio Vilela

Nenhum comentário: