"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

outubro 24, 2014

A resposta oficial de VEJA às agressões da candidata-presidente Dilma


Sobre a fala da presidente no horário eleitoral

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, ocupou parte de seu horário eleitoral para criticar VEJA, em especial a reportagem de capa desta semana. Em respeito aos nossos leitores, VEJA considera essencial fazer as seguintes correções e considerações:

1) Antecipar a publicação da revista às vésperas de eleições presidenciais não é exceção. Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo.

2) Os fatos narrados na reportagem de capa desta semana ocorreram na terça-feira. Nossa apuração sobre eles começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira passada.

3) A presidente centrou suas críticas no mensageiro, quando, na verdade, o cerne do problema foi produzido pelos fatos degradantes ocorridos na Petrobras nesse governo e no de seu antecessor.

4) Os fatos são teimosos e não escolhem a hora de acontecer. Eles seriam os mesmos se VEJA os tivesse publicado antes ou depois das eleições.

5) Parece evidente que o corolário de ver nos fatos narrados por VEJA um efeito eleitoral por terem vindo a público antes das eleições é reconhecer que temeridade mesmo seria tê-los escondido até o fechamento das urnas.

6) VEJA reconhece que a presidente Dilma é, como ela disse, “uma defensora intransigente da liberdade de imprensa” e espera que essa sua qualidade de estadista não seja abalada quando aquela liberdade permite a revelação de fatos que lhe possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais.

Transcrito de Reinaldo Azevedo/Veja

DEFINITIVAMENTE : AGORA É AÉCIO


É hora de iniciar uma nova era de prosperidade, com rigor e segurança, respeito à democracia, devoção à ética e, sobretudo, aos brasileiros. Hora de unir novamente o Brasil

Daqui a dois dias, 141 milhões de brasileiros irão novamente às urnas para decidir quem será o novo presidente do Brasil. No primeiro turno, mais da metade dos eleitores escolheram Aécio Neves e Marina Silva e votaram pela mudança. Votaram por um projeto claro, por um novo país, mais justo, mais fraterno, mais unido e desenvolvido.

Esses milhões de brasileiros também votaram contra os desmandos e desgovernos da atual gestão. Foram às urnas contra a política intervencionista da atual presidente, cujo resultado catastrófico está explícito na economia, ora em recessão, e contra o projeto de poder de um partido que não hesita em subordinar instituições do Estado a interesses eleitoreiros.

Ainda mais importante: 
esses milhões de brasileiros votaram a favor de um candidato com um plano de governo consistente. Além de contar com quadros técnicos comprovadamente competentes, a candidatura tucana tem as melhores ideias para fazer o país avançar. Aécio Neves é o caminho seguro para o Brasil mudar de verdade.

Mudar de verdade é fazer as reformas estruturais que o país tanto precisa para retomar os trilhos do desenvolvimento, com crescimento sustentável e inflação controlada; é oferecer aos cidadãos serviços públicos de melhor qualidade e cuidar de quem mais precisa; é combater o desperdício e o inchaço da máquina pública. É governar com competência.

Mudar de verdade é premiar o mérito e valorizar o esforço individual; é oferecer igualdade de oportunidades e mais transparência; é garantir mais saúde, segurança, educação e levar desenvolvimento a todas as regiões do país. É governar para todos.

Mudar de verdade é colocar o interesse nacional acima das conveniências partidárias ou pessoais; é não compactuar com o malfeito e deplorar a corrupção; é valorizar permanentemente as instituições democráticas, a liberdade e a solidariedade. É governar com ética.

Para além de suas virtudes de liderança, o Brasil, mais que nunca, precisa da habilidade conciliadora e da força transformadora de Aécio Neves. A partir de 1º de janeiro, o novo presidente terá como missão a necessidade de voltar a unir um país cindido pelo discurso raivoso e irresponsável que, a cada eleição, tenta dividir o Brasil entre "nós e eles", "Norte e Sul", "ricos e pobres". Os brasileiros sabem que na construção de uma nação forte não há espaço para esse tipo de retórica rasa, apelativa, destrutiva. É preciso união.

Após 12 anos de PT no poder, a candidatura tucana está pronta para resgatar o Brasil de uma sequência de gestões ruins. Neste momento, os eleitores ávidos por mudanças unem-se em busca da superação do ciclo fracassado do atual governo. É hora de iniciar uma nova era de prosperidade, com transparência e segurança, respeito à democracia, devoção à ética e, sobretudo, aos brasileiros.
 É hora de unir novamente o Brasil
É hora de Aécio.


Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela

BRASIL REAL 24/OUTUBRO/2014

ENQUANTO A GERENTONA 1,99 DOS RECORDES NEGATIVOS DO CACHACEIRO TÁ NA "GANDAIA" : NO brasil maravilha dos VELHACOS... Déficit das contas externas quase triplica e chega a US$ 7,9 bi, maior desde 1947

Nem mesmo a alta de quase 10% do dólar – que poderia impulsionar as exportações e frear os gastos – fez com que o Brasil não registrasse o pior rombo nas contas externas em setembro. Muito pelo contrário. O déficit cresceu nada menos que 186% em relação ao mesmo período do ano passado. 

O resultado de todas as trocas de serviços e comércio com o restante do mundo ficou negativo em US$ 7,9 bilhões: 
o maior desde 1947, quando o BC começou a registrar os dados. 
O rombo acumulado nos últimos 12 meses representa 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB). É a pior relação desde fevereiro de 2002

O déficit de setembro veio muito acima do previsto pelo BC. A aposta da autarquia era de um resultado negativo de US$ 6,7 bilhões. Essa disparada do rombo das contas externas foi provocada pelo déficit da balança comercial em setembro de US$ 940 milhões. O país ainda gastou US$ 4,7 bilhões em serviços. Praticamente a metade disso é de gastos com viagens internacionais.

Apesar do dólar mais caro, o brasileiro bateu novamente um recorde de despesas em viagens ao exterior. Só em setembro, o turista deixou US$ 2,4 bilhões lá fora: nunca o Banco Central registrou uma gastança desse tamanho nesse mês. É ainda o segundo maior gasto para qualquer mês. Só perde para julho, período de férias escolares.

— Houve uma redução da corrente de comércio tanto das exportações quanto das importações. Agora, em setembro, houve queda maior das exportações. A gente pode atribuir isso a perda de preços de itens importantes da nossa pauta — explicou o chefe do departamento econômico do BC, Túlio Maciel.

No ano, as chamadas transações correntes acumulam um rombo de US$ 62 bilhões. É outro recorde. Em outubro, deve ser registrado um novo déficit de 6,6 bilhões, segundo a projeção do BC. Mesmo com a sequência de dados negativos, o Banco Central repete que não há preocupação em relação à situação das contas externas brasileiras.

— O fundamental aqui é olhar as condições de financiamento. E essas condições estão confortáveis — garantiu Maciel.

Ele refere-se aos investimentos que chegam no país. 
Apesar de estar mais dependente de capitais especulativos, o Brasil recebe uma boa quantidade de recursos de boa qualidade. E em setembro, houve surpresa positiva: os investimentos estrangeiros diretos, aqueles que chegam para ampliar a capacidade de produção das fábricas, foram de US$ 4,2 bilhões.
 A expectativa do BC era de uma entrada de US$ 3 bilhões.

Gabriela Valente/O Globo

outubro 23, 2014

PARA REGISTRO ! ENFIM OS BUNDÕES À DESCOBERTO DA DELINQUENTE DE RAPINA E DO CACHACEIRO VIGARISTA DEDO DURO : OS SALAFRÁRIOS SABIAM DA ROUBALHEIRA NA PETROBRAS, DIZ YOUSSEF. SE FOR VERDADE, É MATÉRIA DE IMPEACHMENT SE ELA FOR REELEITA.

Aquilo que os petistas tanto temiam desde o começo aconteceu: a operação Lava Jato bateu em Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, e em Dilma Roussef, Eles sabiam da roubalheira vigente na Petrobras. É o que o doleiro Alberto Youssef assegurou à Polícia Federal e ao Ministério Público no curso do processo de delação premiada. Está na capa da VEJA, que começa a circular daqui a pouco. 

Eu poderia engatar aqui aquela máxima de Carlos Lacerda sobre Getúlio Vargas, só para excitar a imaginação de Lula, trocando a personagem. Ficaria assim: “A Sra. Dilma Rousseff não deve ser eleita. Eleita não deve tomar posse. Empossada, devemos recorrer à revolução para impedi-la de governar.”

Mas aqueles eram tempos em que as pessoas prezavam muito pouco as instituições, a exemplo de certos partidos que estão por aí. Eu não! Eu prezo a lei e a ordem. Eu prezo a Constituição do meu país. Eu prezo os Poderes constituídos.

Se as acusações de Youssef se confirmarem, é claro que Dilma Rousseff tem de ser impedida de governar caso venha a ser reeleita, mas em razão de um processo de impeachment, regulado pela Lei 1.079, que estabelece:

Art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República.

E o texto legal estabelece os crimes que resultam em perda de mandato. Entre eles, estão:
- atuar contra a guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos;
- não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição;
- proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo;

Se é como diz Youssef — e lembro que ele está sob delação premiada; logo, se mentir, pode se complicar muito — , pode-se afirmar, de saída, que Dilma cometeu, quando menos, essas três infrações, sem prejuízo de outras.

Trecho do diálogo de Youssef com o juiz:
— O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.
— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.

Se Dilma for reeleita e se for verdade o que diz o doleiro, DEVEMOS RECORRER ÀS LEIS DA DEMOCRACIA — não a revoluções e a golpes — para impedir que governe. Afinal, nós estamos em 2014, não em 1954.

BRASIL REAL SEM O MARQUETINGUE DOS VELHACOS E CANALHAS! NO brasil CAMISINHA maravilha DOS FARSANTES : Desemprego menor em setembro não reflete a realidade, avaliam analistas

A queda na taxa de desemprego, de 5% para 4,9%, entre agosto e setembro, não significa que o mercado de trabalho brasileiro esteja saudável. Segundo o sócio da Canepa Asset Management, Alexandre Póvoa, a variação não passa de um efeito estatístico, influenciado pelo aumento da inatividade.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta manhã de quinta-feira, o número de inativos subiu 3,7% em relação a setembro de 2013. Cerca de 690 mil pessoas entraram na inatividade neste período. No total, 19,2 milhões de brasileiros, nas seis regiões metropolitanas pesquisadas, compõem a população não economicamente ativa. São inativas as pessoas que não têm trabalho e não tomaram nenhuma providência para encontrá-lo porque não têm interesse em trabalhar. Entram ainda na conta aposentados que deixaram de trabalhar e pessoas incapacitadas.

"A taxa de desemprego está em um ponto de inflexão e deve começar a piorar gradativamente, o que será mais visível em 2016", comenta Póvoa, da Canepa. Ele aponta que a indústria demitiu 59 mil pessoas em setembro, mostrando uma fragilidade muito grande. O setor de serviços, o grande empregador do país, também começa a fraquejar. Os serviços prestados a empresas, por exemplo, tiveram aumento de apenas 0,2% no contingente de trabalhadores de agosto para setembro. A expectativa do economista é que logo aparecerão o efeito do desemprego nos serviços

A estabilidade da massa de renda real habitual dos ocupados (48,4 bilhões de reais) em setembro ante agosto mostra ainda que muitas empresas estão já chegando no limite da manutenção de sua base de funcionários. Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe do Crédit Agricole Brasil, explica que, com as demissões vistas em alguns setores e a massa real estável, o número de vagas diminuiu e a população economicamente ativa também diminuiu.

Os dados dessazonalizados (sem interferências temporárias) do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) já apontam para uma forte queda na criação de empregos. Em setembro, o Brasil abriu 123.785 vagas formais de trabalho - o pior resultado para o mês desde 2001. O resultado corresponde à diferença entre 1.770.429 admissões e 1.646.644 desligamentos. 

"Uma hora isso deve se refletir nos números do IBGE", segundo Póvoa, da Canepa. "Em algum momento o denominador (número de pessoas procurando emprego) vai se estabilizar e o desemprego vai subir". A população economicamente ativa, formada por quem está empregado ou à procura de uma colocação no mercado (24,3 milhões de pessoas), recuou 1% em setembro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2013.

Assim, os economistas acreditam que a ligeira desaceleração da taxa de desemprego em setembro nas seis regiões metropolitanas do país é reflexo apenas de efeitos estatísticos e não indica que o mercado de trabalho esteja aquecido. "Isso não é sinal de força de trabalho", afirmou Caramaschi, do Crédit Agricole.

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego de setembro é a menor para o mês desde 2002. Para Caramaschi, o debate sobre o motivo do arrefecimento do nível do desemprego é amplo, mas pode ter algum reflexo dos programas sociais, que acaba por permitir que a pessoa tenha condições de se dedicar aos estudos, por exemplo. "É uma discussão em aberto, mas o que podemos perceber." 

O fechamento de vagas indica que a atividade econômica do país está mais fraca e acaba batendo no emprego. Para os especialistas, esse cenário não deve ser revertido tão cedo. "Independentemente de quem vença a eleição, alguns ajustes macroeconômicos terão de ser feitos no ano que vem e que possivelmente não devem trazer benefícios ao mercado de trabalho", finalizou Caramaschi.

Veja.com
(Com Estadão Conteúdo)

ENQUANTO ISSO NO JEITO DA ENGANAÇÃO PETRALHA DE "GUVERNÁ"... O QUE A GERENTONA 1,99 DESAVERGONHADA DO CACHACEIRO VIGARISTA TANTO ESCONDE?


Adiar ou manipular dados oficiais, subordinando descaradamente instituições de Estado a interesses de governo, tornou-se ação recorrente de governos do PT. É uma mistura indigesta de censura, falta de transparência e desrespeito aos cidadãos. O que a administração Dilma tanto esconde?

Por receio de que números negativos possam atrapalhar a campanha de Dilma Rousseff, o governo federal engavetou a divulgação de indicadores sobre economia e educação, informa hoje a Folha de S.Paulo. A prática tem se tornado recorrente: o que é ruim, o governo esconde. De preferência, até depois das eleições.

Depois de retardar a divulgação do Ideb relativo a 2013, com óbvia intenção de ocultar que Minas continua tendo o melhor ensino fundamental do país, o governo petista agora atrasa a publicação do desempenho dos alunos em português e matemática, que normalmente é apresentado até o mês de agosto. Já a divulgação de índices sobre o desmatamento da Amazônia, cujos números são divulgados todos os meses, foi postergada para novembro.

A censura do governo do PT às estatísticas também atinge dados econômicos. A previsão é de que o resultado da arrecadação de tributos de setembro, que não deve vir favorável ao governo, seja divulgado somente depois das eleições de domingo. Tradicionalmente os números mensais vêm a público até dia 25 de cada mês.

O Ipea também sofre com a excessiva ingerência do Planalto. Na semana passada, em decisão inédita, o órgão simplesmente proibiu a publicação de estudo sobre a evolução do número de miseráveis no país. Em resposta, um diretor do órgão pediu exoneração.

Não se trata da primeira pesquisa engavetada pelo Ipea. Em setembro, o órgão havia barrado a divulgação de estudo que mostrava o crescimento da concentração de renda no país desde 2006.

Há algumas semanas, funcionários do IBGE entraram em pé de guerra com o governo porque viram suas pesquisas serem cerceadas depois que os primeiros resultados da nova Pnad Contínua mostraram um retrato do desemprego mais feio do que o discurso oficial pinta. A pesquisa chegou a ser suspensa - depois o governo recuou.

O Brasil está às vésperas de eleger o governo que comandará o país pelos próximos quatro anos. Numa atitude inédita, a candidata oficial sequer apresentou seu programa de governo, embora prometa "novas ideias". Na realidade, oferece ao país um salto no escuro.

Ninguém sabe ao certo quais rumos Dilma Rousseff pretende dar ao país, se reeleita. Do jeito que as coisas andam, não dá sequer para saber como está o país hoje. O que é certo é que, com o PT, a censura a tudo que não seja favorável ao governo tornou-se a tônica, um tempo de muitas trevas e poucas luzes.


Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
O que Dilma tanto esconde?

outubro 22, 2014

Mobilização pró-Aécio em SP reúne cerca de dez mil pessoas

Segundo a Polícia Militar, a manifestação de apoio ao candidato a presidente Aécio Neves (PSDB) na capital paulista reúne cerca de 10 mil pessoas. A concentração começou no Largo da Batata, na zona oeste, e segue na Faria Lima. Jingles da campanha se misturam a gritos de ordem contra o PT. A cantora Wanessa Camargo cantou em cima do carro de som a música oficial da campanha, que já havia gravado para o programa de TV de Aécio. Ela cantou também o Hino Nacional.

Entre os gritos anti-PT, repetidos à exaustão pelos manifestantes, destacaram-se hostilidades contra o ex-presidente Lula. "Lula, cachaceiro, roubou o meu dinheiro", gritavam. Também ouviu-se:"Dilma vai embora, o Brasil não quer você, aproveita e leva o Lula e os vagabundos do PT"; "O PT roubou" e "Fora PT".
"É uma coisa impressionante, muito semelhante ao que aconteceu nas manifestações de junho do ano passado", disse Walter Feldman, que coordenou a campanha de Marina Silva e que agora se dedica à campanha do tucano, ao Broadcast Político, em meio à manifestação. Com nome #VemPraRuadia22, o movimento tenta reavivar o espírito das manifestações que causaram abalo à avaliação da presidente Dilma Rousseff (PT), em 2013.

Foi anunciado no carro de som atividades simultâneas em mais de 15 cidades. O carro tocou o jingle da campanha e chamou para gritos de "Fora PT", "O PT roubou" e até uma marchinha de "Dilma vai embora, que o Brasil não quer você / aproveita e leva o Lula e os vagabundos do PT". A ideia é partir em seguida para uma caminhada pela Avenida Faria lima. O tom ufanista se vê em camisas e bandeiras do Brasil e se mistura a falas de revolta contra o PT.

Muitas pessoas trouxeram crianças e até cachorros. Misturam-se eleitores tradicionais do PSDB a eleitores que também já votaram no PT. "Sempre votei no PSDB, sou anti-PT desde a 'revolução de 64'", disse a confeccionista Acrisia Monteiro. Já Vitor Sanches, auxiliar de escritório, que votou em Dilma em 2010, diz hoje apoiar o tucano por ter ficado decepcionado com a capacidade de gestão do governo Dilma. "Nas manifestações, eu fui pra rua e não houve mudança, a mudança vai ser na urna."

Já subiram no carro de som, no Largo da Batata, o candidato presidencial do PV, derrotado no primeiro turno, Eduardo Jorge , o vereador do PV Gilberto Natalini e o jurista e ex- ministro do governo Lula, Miguel Reali Jr. "O PV foi o primeiro partido que decidiu apoiar Aécio no segundo turno", disse Jorge, que afirmou que o apoio se deve ao atual governo ser "avesso" ao povo e porque o governo "infiltrou até a medula" ministérios e agências reguladoras.

"Estamos indignados ou não estamos indignados? Vamos reagir no voto e vamos pôr o PT fora do governo", disse Reali Jr. Os famosos Juca Chaves e Ronaldo Fenômeno são esperados. Também foram citados os tucanos Jose Serra e Mara Gabrilli, que devem chegar em breve.

Ana Fernandes e Ricardo Chapola - O Estado de S. Paulo
Manifestação pró-Aécio

#VemPraRuadia22 ! A HORA É AGORA : FHC convoca população para ato em favor de Aécio e contra a 'podridão no Brasil'. Tucanos divulgaram vídeos chamando a população para participar de atos marcados pela internet que tentam explorar a indignação dos protestos de junho de 2013


Um movimento de apoio ao candidato Aécio Neves, nesta quarta-feira, 22, tenta reavivar o sentimento das manifestações de junho para estimular o apoio ao tucano. Segundo o PSDB, trata-se de um movimento suprapartidário e sem uma organização central.

 "A organização é difusa", disse um assessor da campanha. Membros do partido, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, contudo, divulgaram vídeos conclamando a população para participar do ato e pedindo voto para o candidato do PSDB. 

 "Sou neto de nordestino, tenho orgulho disso. Nós aqui de São Paulo precisamos estar juntos com vocês todos, nós todos juntos em indignação contra essa podridão que está havendo no Brasil", disse o ex-presidente em um dos vídeos.

A mobilização, que busca copiar as manifestações do ano passado, está sendo feita principalmente pelas redes sociais. A página do evento no Facebook conta 235 mil convidados e 14 mil confirmações. No Twitter, o engajamento é feito pela hashtag #VemPraRuadia22, que tinha há pouco cerca de 300 menções. 

O ato ocorre em meio à queda do candidato do PSDB nas últimas pesquisas de intenção de voto, que apontam para uma virada da presidente Dilma Rousseff, até então numericamente atrás do tucano no 2º turno. A última pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta indica que a presidente está ligeiramente à frente na disputa com 52% das intenções de voto, contra 48% de Aécio. Tecnicamente, contudo, eles estão empatados no limite da margem de erro que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Há atos previstos em várias cidades, mas com destaque para concentrações em São Paulo, no Largo da Batata; Brasília, na Esplanada dos Ministérios; Rio de Janeiro, na praia de Copacabana; Recife, no Marco Zero; Belo Horizonte, na Praça da Estação; Teresina, na Av. Dom Severino com Homero Castelo Branco; Fortaleza, no Espigão Beira-Mar e Ribeirão Preto, na Praça Fiúsa.

Aécio gravou vídeos que foram enviados pelo WhatsApp. Ele deve participar do ato em Belo Horizonte. Outros tucanos também gravaram chamando para os eventos, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o coordenador de campanha, vereador Andrea Matarazzo. A página do Facebook também traz participações em vídeo de famosos conclamando a participação, como Juca Chaves, Fafá de Belém e Sandra de Sá.

Além do nome "Vem pra Rua" em alusão às manifestações de junho, os locais escolhidos tentam recriar a atmosfera dos protestos que levaram à queda mais expressiva da popularidade de Dilma Rousseff (PT) ao longo de sua gestão. Entre os locais mais simbólicos estão o Largo da Batata, na capital paulista, e a Esplanada dos Ministérios, na capital federal. As postagens fazem referências ao sentimento de indignação e trazem menções como do gigante levantando, que foi também um símbolo de junho de 2013.

"Nesta quarta-feira, a partir das 19h, o Brasil inteiro vai estar mobilizado pela mudança", diz Aécio em um dos vídeos. "Sou neto de nordestino, tenho orgulho disso. Nós aqui de São Paulo precisamos estar juntos com vocês todos, nós todos juntos em indignação contra essa podridão que está havendo no Brasil. É hora de protestar, votarmos juntos em Aécio 45", diz Fernando Henrique em uma das gravações. 

Em outro vídeo, o ex-presidente chama para união de diferentes classes sociais, repetindo a mensagem de "indignação": "Todos queremos mostrar agora indignação. O que está acontecendo no Brasil não dá mais para suportar. Temos que ser firme, temos que ter coragem. Dia 22, às 19h, todos nós, juntos, ricos, pobres, classe média, tudo junto em favor do Brasil". 

Ronaldo.
Um dos coordenadores da campanha de Aécio Neves, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, disse que o ato nesta noite no Largo da Batata, em São Paulo, "é um movimento cívico em defesa do Brasil" e deve reunir, além de militantes e simpatizantes da campanha tucana, artistas e jogadores. "O Ronaldo fenômeno acaba de me ligar e disse que vai estar presente", relatou Paulinho ao Broadcast Político.

O senador suplente de José Serra, José Aníbal, que também está na coordenação dos eventos da campanha tucana nos dias que antecedem o segundo turno, afirmou que a expectativa é reunir milhares de pessoas. Além do evento da noite, Aníbal afirmou que outros estão sendo realizados durante todo o dia na capital, como o bandeiraço na Praça do Forró, na zona leste, e o evento de mulheres tucanas em várias cidades do País.

Organizado pela presidente nacional do PSDB Mulher, Solange Jurema, os atos devem se contrapor às críticas feitas pela campanha petista de que Aécio não trata bem as mulheres. Segundo Solange, nesta quarta-feira, as mulheres que apoiam a candidatura do presidenciável tucano devem sair às ruas vestindo as cores da bandeira nacional, em atos que terão a participação da população com sugestões para a mudança do Brasil. Em São Paulo, os eventos acontecem em 20 cidades. Na capital, o encontro será em frente à Secretaria de Educação do Estado, na Praça da República, no início da tarde.

Apesar do engajamento virtual, FHC pode não comparecer ao evento. Sua assessoria disse que a participação ainda não está confirmada por motivo de agenda. Outros tucanos que têm participado da campanha, o governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador eleito no Estado, José Serra, também não confirmaram participação.


A Petrobras em declínio



Empresa mais endividada do mundo, a estatal estampa más notícias nas páginas de economia e polícia. Chegou a hora de recuperá-la e torná-la de novo orgulho dos brasileiros

A Petrobras, nossa maior empresa e uma das companhias mais importantes para o desenvolvimento do país, encontra-se hoje numa situação deplorável. São a enxurrada de escândalos, as perdas persistentes de valor, a produção que não reage, os investimentos que não acontecem na proporção necessária.

Ontem foi a vez de a agência de classificação de risco Moody's rebaixar a nota de crédito da estatal, e manter a perspectiva negativa para a companhia. Em comunicado, informou que a decisão se justifica pelo alto grau de endividamento da empresa, situação que só deve se reverter "bem depois de 2016", ao contrário das previsões oficiais.

Desde 2010, a dívida total da Petrobras quase triplicou e a dívida líquida quase quadruplicou, segundo levantamento feito pelo blog Achados Econômicos. A estatal é hoje a empresa mais endividada do mundo.

Embora a dívida tenha crescido, a produção não aumentou. Pelo contrário:
 a Petrobras viu a quantidade de barris que extrai cair duas vezes seguidas nos últimos dois anos - o que não acontecia desde o governo Sarney. Desde o começo da gestão Dilma, a companhia já perdeu cerca de 60% do seu valor de mercado em dólares.

Mas os problemas vão muito além de uma deterioração das condições financeiras. Há também os orçamentos estourados, os prazos nunca cumpridos. Obras sob responsabilidade da Petrobras estão na lista de irregularidades do TCU: a compra da refinaria de Pasadena, a construção de Abreu e Lima em Pernambuco e o Comperj.

Infelizmente, a Petrobras virou fonte de notícias ruins nos últimos anos. Investimentos mal orientados, loteamento de cargos e controle de preços de combustíveis minaram a rentabilidade da empresa. Tudo isso envolto em muita corrupção. Os danos impostos à companhia são parte da herança lastimável deixada pelo governo do PT.

Das páginas de negócios, a Petrobras foi parar nas páginas de polícia, levada pelo PT. Em depoimento à Justiça Federal, Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, disse que 3% do valor dos contratos fechados na diretoria de Abastecimento era usado para pagar propinas. Deste valor, dois terços ficariam com o PT.

Durante todo este período, Dilma Rousseff comandou a companhia. Seja como ministra de Minas e Energia ou da Casa Civil, seja como presidente do Conselho de Administração ou como presidente da República. A debacle da empresa é o retrato da qualidade da gestão da candidata à reeleição.

A Petrobras é empresa importante para o desenvolvimento econômico e social do país. Seu corpo de funcionários é da maior qualidade. Este é um ativo que foi dilapidado pelos petistas nos últimos anos. Chegou a hora de recuperar a empresa e torná-la novamente um orgulho dos brasileiros.


Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela

XÔ TRASTES ! O brasil DO CACHACEIRO VIGARISTA DESPUDORADO E SUA DESAVERGONHADA INCOMPETENTA E MENTIROSA : O fiasco dos investimentos

De fracasso em fracasso, a presidente Dilma Rousseff completará em dezembro quatro anos de fiascos no PAC 2, a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento. Até o réveillon, só terá conseguido inaugurar 2 de 11 grandes obras com conclusão prometida para o trimestre final de seu mandato. Neste ano, o governo até acelerou os desembolsos para investimentos, como ocorre em todo período eleitoral, mas sem desemperrar a execução da maior parte dos projetos. 

Desde a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, orçamentos e prazos têm sido rotineiramente estourados. Esse resultado é explicável por uma invulgar incompetência administrativa temperada com boas pitadas de corrupção. A faxina realizada em 2011 no Ministério dos Transportes e a longa saga de escândalos na Petrobrás são episódios importantes e instrutivos dessa história.

Com operação recém-iniciada, a Hidrelétrica de Santo Antônio do Jari, no Amapá, é um dos dois projetos com entrega atualmente prevista para este fim de ano. O outro é a Hidrelétrica Ferreira Gomes, no mesmo Estado. Deverá funcionar em breve, se nenhuma surpresa ocorrer. As duas usinas são empreendimentos privados.

Os outros nove projetos, com prazos alongados para os próximos dois anos, incluem a transposição do Rio São Francisco, grandes obras de saneamento no Nordeste, investimentos em rodovias e a famigerada Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Esta é uma das mais vistosas gemas da coroa de escândalos da Petrobrás.

Bastaria o estouro de seu orçamento - de US$ 2,4 bilhões na previsão inicial para cerca de US$ 20 bilhões nas últimas estimativas - para converter em personagens históricas dignas de estudo as principais figuras envolvidas no projeto. A lista incluiria, naturalmente, o presidente da República, o ministro de Minas e Energia e vários dirigentes da Petrobrás.

Em 2011, quando a presidente Dilma Rousseff iniciou seu mandato, ainda se previa o começo das operações da Abreu e Lima em 2012. No fim de 2014, a obra deveria estar completa. Um dia essa história poderá ser contada a estudantes de administração como exemplo da desastrosa mistura de irresponsabilidade, incompetência gerencial, asneira ideológico-diplomática (a aliança entre lulismo e chavismo) e corrupção.

O atraso dessas nove obras prioritárias é um capítulo especialmente interessante da história iniciada em 2003, com a chega do PT ao governo federal, e ainda sem conclusão. Mas é só isso, uma coleção de exemplos particularmente interessantes de ações desastrosas. Administração e investimento nunca foram pontos fortes dos três mandatos petistas.

Neste ano, o governo federal aplicou, até setembro, R$ 45,3 bilhões em obras e na compra de equipamentos. Investiu, portanto, 30,5% mais que nos nove meses correspondentes do ano anterior. Maiores desembolsos para investimentos têm ocorrido repetidamente em anos de eleições, tanto na administração federal como nos governos estaduais e municipais.

Nem assim o governo da presidente Dilma Rousseff conseguiu tornar muito melhor a execução de projetos dependentes da União. Boa parte das obras prometidas para a Copa do Mundo de Futebol ficou sem conclusão. O caso dos aeroportos é um exemplo muito claro. Até abril deste ano, só foi concluído um terço dos empreendimentos previstos para o setor no PAC 2, segundo o último balanço divulgado pelo governo. De acordo com esse levantamento, 23 das 108 obras programadas continuavam no papel.

Além disso, nos primeiros três bimestres de 2014 a Infraero investiu mais que no ano anterior. No quarto, aplicou menos que em julho e agosto de 2013. Explicação mais plausível: depois da Copa, as obras ficaram menos urgentes. "Pela primeira vez neste ano a Infraero reduziu o ritmo dos investimentos", noticiou a organização Contas Abertas, dedicada ao exame das contas públicas.

A política de investimentos vai mal em todo o setor de infraestrutura. O PAC continua sendo principalmente um programa de obras imobiliárias e de financiamentos habitacionais. Sem estes componentes, seria mais difícil atenuar o vexame em cada balanço periódico.

O Estado de São Paulo