"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

maio 14, 2010

A VERDADE DO LUZ PARA TODOS - ESSA GENTE NÃO PRESTA, LADRÕES E MENTIROSOS.

O Líder do PSDB na Câmara dos Deputados, João Almeida (BA), declarou-se surpreso com a afirmação da petista Dilma Roussef no programa do partido veiculado na televisão, quando afirmou que o “Luz para Todos” foi de sua autoria.

“Isto é uma mentira, pois o programa é de minha iniciativa! Não foi proposto pelo Governo de Lula, como querem passar para a população. E foi aprovado por unanimidade pela Câmara dos Deputados e pelo Senado”, alertou Almeida.

João Almeida relembra que, em 2003, o Governo Lula enviou ao Congresso Nacional Medida Provisória (MP 127/2003) que tratava apenas da criação de um Programa Emergencial e Excepcional de Apoio às Concessionárias de Serviços Públicos de Distribuição de Energia Elétrica.

“A MP era somente para dar uma compensação às companhias distribuidoras de energia elétrica, por um aumento que não fora concedido pelo Governo para evitar que a inflação crescesse”, explica Almeida.

O deputado baiano foi designado relator. Como possuía todos os estudos anteriores relativos à criação do programa “Luz no Campo” (dezembro de 1999, ainda no Governo FHC), entrou em contato com as lideranças do PT para promover a universalização do fornecimento de energia elétrica a todos os brasileiros.

Lei evita uso político

Foi desta forma que nasceu o “Luz Para Todos”, construído naquele momento pelo relator. “Eu incluí nessa MP a legislação básica para a construção do programa ‘Luz Para Todos’”, lembra Almeida.

A lei foi aprovada por unanimidade e o deputado não fez qualquer alarido disso à época.

“Na elaboração da lei do ‘Luz Para Todos’, tomei o cuidado essencial de evitar a manipulação política. De que forma? Garantindo um sistema de atendimento às comunidades baseado no custo por família, atendendo primeiro aos que podem ser atendidos com custo mais baixo, depois aos de custo mais alto, por fim chegando até aos mais distantes”, completa o líder tucano.

A ex-ministra não foi a primeira a mentir sobre a autoria do projeto, acentua o deputado baiano.

“Tenho uma surpresa muito grande quando aparece ou outro deputado, e agora a ex-ministra de Lula, dizendo que levou o ‘Luz Para Todos’ para aqui, ou que outro levou o Luz Para Todos para lá.

Mentem todos!!

Ninguém leva o ‘Luz Para Todos’ para qualquer lugar!! Quem diz onde o programa vai acontecer é o computador, que lista as comunidades a serem atendidas em cada momento, considerando o menor custo por unidade beneficiada”, diz.

O sucesso do programa “Luz Para Todos”, enfatiza João Almeida, “é a lei que criou este fundo, pois quem sustenta o programa não é o orçamento da União”.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Liderança do PSDB na Câmara dos Deputados

O JUDICIÁRIO JÁ ESTÁ PAGANDO A CONTA DO JANTAR ?

De onde vem tanta segurança para o desrespeito às leis eleitorais?
Os Ministros do TSE e todo o Judiciário brasileiro foram desrespeitados. A sociedade brasileira é desrespeitada. Serra, FHC e o PSDB humilhados.

O que é que faz com que um presidente ebrioso tenha tanta segurança para descumprir as leis e não ser "molestado"? Basta ter poder e popularidade que tudo é permitido?


Eu tenho a convicção, e sem "medo de errar" que esta eleição já está fraudada desde o tal teste "anti fraude" das urnas eletrônicas, porque é questão de honra para o cachaceiro e desonesto presidente "fazer" a sua sucessora, que por si só, já é a de todas, a maior fraude.

Podem ter certeza que tudo isso é só o começo, no meu juízo tudo foi acertado aqui :

UM JANTAR PARA A CÚPULA DO JUDICIÁRIO

Se depois do regabofe acima, o ebrioso "caga" na democracia e no respeito à Constituição, sugere que o "cardápio" que foi consumido teve como "sobremesa" a certeza de que a cegueira será a mãe de quem teria a obrigação de ver.

...............
Autor(es): Malu Delgado - O Estado de S.Paulo
Do início ao fim, o programa partidário foi concebido como uma peça de campanha, ainda que a propaganda eleitoral na televisão só seja autorizada a partir de 17 de agosto e que o PT já tenha sido contestado na Justiça Eleitoral por antecipar a campanha em um espaço que deveria ser dedicado à divulgação da legenda, e não da pré-candidata.

O uso irregular do programa partidário anterior, de dezembro, provocou a condenação do PT ontem à noite, mas não a tempo de impedir que o partido voltasse a promover um palanque para Dilma na TV.

No programa de ontem, a ex-ministra foi apresentada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva como uma espécie de heroína que teve interferência em todas as políticas públicas de forte apelo social implementadas pelo governo, incluindo o Bolsa- Família ? programa que nunca foi subordinado diretamente aos ministérios geridos por ela: Minas e Energia e Casa Civil.

"Eu digo sem medo de errar: grande parte do sucesso do governo está na capacidade de coordenação da companheira Dilma Rousseff", afirma Lula.

Diante das críticas da oposição de que a ex-ministra não tem experiência para ocupar a Presidência, o contra-ataque petista foi usar o presidente para enaltecer o desempenho da petista no governo. "Ela simplesmente foi exuberante na coordenação do meu governo", disse Lula.

Na tentativa de torná-la mais conhecida e aproximá-la da população de baixa renda, o PT fez Dilma "entrevistar" dois beneficiários do programa Luz Para Todos. Pesquisa Ibope feita em abril revelou que apenas 14% dos entrevistados disseram conhecer bem a petista.

UM CORTE MAIS PARA ARRANHÃO.ENCENAÇÃO!

http://4.bp.blogspot.com/_ywSvQZuuiEw/R31AI0PVa0I/AAAAAAAAAXs/23ftrtw8JU4/s400/paulo+bernardo+rindo.jpg
Correio Braziliense -

O ministro do Planejamento Paulo Bernardo, atirou no que viu e acertou no que não viu ao traçar sombrio prognóstico em entrevista publicada ontem: Vai doer.
Ele se referia ao forte arrocho nos gastos públicos anunciado para a próxima semana.

Mas o que dói é constatar a incoerência entre o discurso e a prática do governo.

Com todas as despesas que representam, órgãos estão em criação, e a estatal Telebrás, em reativação. Mais: os estados acabam de ser autorizados pela União a contrair empréstimos de até R$ 40 bilhões, aumentando o endividamento.

Voltemos os olhos para trás e a situação não muda. Desde a posse de Lula na Presidência da República, mais de 200 mil cargos foram criados. Só de 2008 para cá, os gastos com servidores cresceram R$ 39 bilhões.

Portanto, olhando-se o futuro ou o passado, a identidade da atual administração federal exibe o perfil perdulário de sempre. Quem acreditará na troca desse retrato 3x4 em branco e preto por colorido pôster de um Palácio do Planalto parcimonioso, a pouco mais de sete meses do fim do mandato?

Não será o dragão da inflação, nem o Leão da Receita Federal, nem o bode do crescimento que são os juros mais altos do mundo..

A dor maior, o ministro não mencionou, é constatar que, por mais poderosa e mais a fundo que se passasse a tesoura agora (já se mostrou que não será nada disso), ela chega demasiado tarde. Não que seja dispensável, pois é sempre bem-vinda.

Afinal, é melhor o mau aluno fazer o dever de casa a caminho da escola do que não fazê-lo jamais. As consequências, contudo, são inevitáveis. Nesse caso, para tamanho gasto contratado e a contratar, a carga tributária sempre estará pequena e o arrocho monetário, insuficiente.
(...)
Mas assusta ver o governo anunciar, praticamente ao mesmo tempo, corte de R$ 10 bilhões no Orçamento da União e a criação do consórcio Autoridade Pública Olímpica, para planejar os Jogos de 2016, e da Empresa Brasileira de Legado Esportivo, que se encarregará da execução das obras.

Apenas para estruturá-los, serão gastos R$ 94,8 milhões. Registre-se, ainda, a reativação da Telebrás, que absorverá R$ 3,22 bilhões do Tesouro até 2014.