"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

dezembro 03, 2013

O pibinho da desconfiança

http://4.bp.blogspot.com/-3SXWpgK6unQ/UaaZNNRS9xI/AAAAAAAAPSw/rND97we_aVA/s1600/pi+beco.JPG

Foi pior do que se esperava. 
O resultado das contas nacionais divulgado há pouco pelo IBGE mostrou queda de 0,5% do PIB brasileiro no terceiro trimestre do ano. O número veio em linha com as piores expectativas de mercado. Num clima de desconfiança profunda e generalizada em relação ao futuro do país, o pibinho está de volta.

Trata-se da primeira retração do PIB em dois anos. 
A última queda havia ocorrido no terceiro trimestre de 2011, quando a taxa ficou em -0,1%. Desde o primeiro trimestre de 2009, no auge da crise mundial, quando o PIB caiu 1,6%, a economia brasileira não recuava tanto.

A agropecuária, que vinha sendo o esteio da economia, despencou 3,5% na comparação com o segundo trimestre. Foi o pior desempenho entre todos os subsetores da produção pesquisados. Indústria (0,1%) e serviços (0,1%) mantiveram-se praticamente estáveis.

Outro dado muito ruim é que os investimentos - identificados nas contas nacionais pelo palavrão "formação bruta de capital fixo" - caíram 2,2% no trimestre. Foi a maior queda entre os componentes da demanda. O consumo das famílias, que também ajudou a sustentar a economia por um bom tempo, só subiu 1%.
http://1.bp.blogspot.com/-PHWC00ZX5E0/Uf-2EkyDVoI/AAAAAAAAUo0/qrqnQuFeQwc/s640/investiments.jpg
Também hoje pela manhã, o IBGE anunciou o PIB revisado de 2012. 
Outra decepção: 
a alta foi de mero 1%, insuficiente para alterar muito o retrato geral da ruinosa política econômica de Dilma Rousseff - que havia antecipado erroneamente que o número sairia do 0,9% já conhecido e chegaria a 1,5%. Também é bem menos que o "PIB piada" que Guido Mantega desdenhara - quando, no ano passado, uma consultoria previu, e errou, que o PIB brasileiro cresceria só 1,5% em 2012.

Ainda de acordo com o que o IBGE divulgou há pouco, nos últimos 12 meses a expansão do PIB brasileiro é de 2,3%. Com este resultado, o país exibe crescimento médio de 2% nos três anos da gestão Dilma. É o pior desempenho desde o inesquecível governo Collor e também uma das três médias mais baixas de toda a nossa história republicana - o outro parceiro de ruína da presidente é Deodoro da Fonseca.
http://1.bp.blogspot.com/-AyIc7uVxeIg/Uf-2B616cvI/AAAAAAAAUos/ibMpsRBI2-E/s640/pibinho.jpg
Enquanto isso, para não irmos muito longe, a média de crescimento da América Latina nos mesmos três anos terá sido de 3,5%, de acordo com a Cepal. 
Ou seja, o Brasil avança hoje a um ritmo equivalente a pouco mais da metade do que crescem seus vizinhos. Neste ano, em toda a América Latina só Venezuela e El Salvador terão aumentos de PIB menores que o nosso.

O Brasil também figura na rabeira em relação a outras economias que já divulgaram resultados do PIB do terceiro trimestre. Alguns exemplos: 
a China cresceu 2,2% sobre o segundo trimestre; o Reino Unido, 0,8%; os EUA, 0,7% e até a combalida zona do euro teve crescimento positivo de 0,1%, sempre na mesma base de comparação, segundo o G1.

Sob a condução da gerentona Dilma Rousseff, o país caminha a passos largos para o buraco. O Brasil não cresce quase nada. A despeito de ter os maiores juros do mundo, convivemos com uma inflação que só não explodiu os limites de uma meta que já é muito generosa porque o governo manipula fragorosamente preços como os dos combustíveis e da energia elétrica.

Nestes últimos anos, o país também viu dinamitada a boa reputação arduamente construída a respeito da solidez e da credibilidade de suas contas públicas. O governo anuncia manobras fiscais na mesma medida em que descumpre, mês após mês, os compromissos em bem gerir os recursos públicos recolhidos dos contribuintes que pagam seus impostos.

Não há muita esperança quanto a dias melhores - não enquanto estivermos sob a gestão do PT. A economia não mostra fôlego para crescer muito acima da média atual: 
talvez a benfazeja leva atual de privatizações ajude a elevar o resultado de 2014 para algo mais próximo de 2,5%. 
Ou seja, nada excepcional.

Para complicar, o Brasil deve ter sua nota de classificação de risco rebaixada no ano que vem, o que encarecerá o crédito para um país que precisa urgentemente investir para gerar mais empregos e melhores oportunidades para seus cidadãos.

O PT mergulhou o país num mar de desconfiança, de falta de credibilidade, de temor em relação ao futuro. Há anos o governo não consegue construir nada novo, ao mesmo tempo em que implode os alicerces que nos fizeram chegar até aqui. A experiência com Dilma Rousseff é desastrosa. 

O Brasil não merece isso.

ITV

POBRE BRASIL REAL ! O PAI CACHACEIRO PARLAPATÃO E MÃE EMBUSTEIRA 1,99 DA VERDADEIRA HERANÇA MALDITA.



O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 0,5% no 3º trimestre deste ano ante os três meses imediatamente anteriores. Pelo lado da oferta, o pior desempenho foi o da agropecuária, que despencou 3,5% devido, principalmente, ao fim da safra de soja, produto que tem peso elevado no cálculo do indicador. Já indústria e serviços ficaram praticamente estáveis, com leve alta de 0,1%.

Já pela ótica da demanda, os investimentos (denominados formação bruta de capital fixo) tiveram forte queda: 
2,2%, a maior desde o primeiro trimestre de 2012, quando houve recuo de 2,7%. Enquanto o consumo das famílias teve alta de 1% e o do governo cresceu 1,2%.

A queda de 0,5% é o pior resultado, nessa base de comparação, desde o primeiro trimestre de 2009, auge da crise financeira internacional. Naquela ocasião, houve recuo de 1,6% no PIB, na margem. O resultado também representa a primeira retração desde o primeiro trimestre de 2009, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 O dado mostra ainda uma forte desaceleração ante o resultado do segundo trimestre deste ano, que teve a alta revisada para cima: 
de 1,5% para 1,8%.

A queda no terceiro trimestre ficou no piso das estimativas dos analistas. Levantamento do serviço AE Projeções, da Agência Estado, com 47 instituições, previa um recuo de 0,50% a uma expansão de 0,20% - com mediana de -0,20%.

Infographics(use o mouse para explorar)

Já na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a economia teve alta de 2,2%, sendo puxada pelo setor de serviços, que também teve expansão de 2,2%. Já a indústria teve alta de 1,9% e a agropecuária recuou 1%.
Nesta base de comparação, os investimentos tiveram forte alta:
7,3%.

Trata-se da terceira expansão seguida, sinalizando uma recuperação em relação ao ano anterior. O IBGE destaca, contudo, que houve uma desaceleração ante o resultado do segundo trimestre, quando a alta foi de 9,1%.

Na mesma base de comparação, os consumos das famílias e do governo cresceram, ambos, 2,3%. Em valores correntes, o PIB do terceiro trimestre somou R$ 1,2 trilhão.

Agropecuária.
 Apesar de ser a atividade que mais cresce no ano, a agropecuária foi prejudicada no terceiro trimestre por projeções de queda em safras importantes para o período. Segundo o IBGE, o desempenho das produções de laranja (-14,2%), mandioca (-11,3%) e café (-6,9%) serão piores do que no ano passado.

Para o analista técnico e econômico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Robson Mafioletti, o recuo do PIB da agropecuária também está relacionado aos preços mais baixos de soja, milho e café. "Os preços da soja ainda estão bons, mas no ano passado estavam melhores. Já os do milho estão ruins e o café vive uma de suas piores crises", disse ele ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Apesar da queda, a agropecuária fechará o ano com um PIB positivo, projetou Mafioletti. "Não vai piorar. Vai ser um dos melhores dos últimos anos. Temos problemas pontuais mas, no geral, estamos bem." De acordo com o IBGE, no acumulado de 2013 o PIB da agropecuária registra avanço de 8,1%, o mais forte entre todos os setores. A indústria acumula alta de apenas 1,2% e serviços sobem 2,1%.

Comércio exterior. 
As exportações, segundo o IBGE, caíram 1,4% no terceiro trimestre em relação aos três meses imediatamente anteriores. Ante o mesmo período do ano anterior, as vendas externas subiram 3,1%. Já as importações diminuíram 0,1% na comparação com o segundo trimestre do ano. Em relação ao mesmo período de 2012, houve alta de 13,7%, a maior desde o segundo trimestre de 2011, quando houve crescimento de 14,8%.

A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada para a elaboração da balança comercial. No PIB, entram bens e serviços, e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram somente bens, e o registro é feito em valores, com grande influência dos preços.

Na comparação internacional, o Brasil teve o menor PIB entre as maiores economias do mundo

Agência Estado e Economia & Negócios 
Agronegócio e investimentos despencam e PIB encolhe 0,5% no 3º trimestre
 

ONDE TEM P artido T orpe TEM TRAMBIQUE/TRAPAÇA/FARSA/MANIPULAÇÃO/DESONESTIDADE/ESBÓRNIA/MANOBRA FISCAL/MINISTRO BUFÃO/EMBUSTEIRA 1,99... Em nova manobra, governo usará Caixa para garantir superávit fiscal. Banco colocará recursos na conta usada para subsidiar desoneração da tarifa de luz


A equipe econômica prepara mais uma manobra para melhorar o desempenho das contas públicas. Dessa vez, o alvo é a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que subsidia a desoneração das contas de luz e o uso de energia térmica no país. Para reduzir os repasses do Tesouro à CDE, que têm impacto sobre o superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública), o governo vai usar a Caixa Econômica Federal.

Segundo técnicos, o banco deve comprar os créditos que a Reserva Global de Reversão (RGR) — fundo do setor elétrico que põe recursos na CDE — tem com as distribuidoras de energia. A RGR receberá recursos da Caixa para ter mais fôlego para colocar dinheiro na CDE e, assim, reduzir a necessidade de aportes do Tesouro nesta conta. Os técnicos dizem que o impacto da operação é nulo para as distribuidoras.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que uma das dificuldades para o fechamento das contas de 2013 vem dos gastos atípicos que a União teve com a CDE. O custo para está estimado em R$ 10 bilhões para este ano e em R$ 9 bilhões para 2014. Essa conta fica mais pesada uma vez que o governo já admite que o superávit primário ficará abaixo do compromisso que havia sido assumido pela equipe econômica, de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 12 meses até outubro, o esforço fiscal está em 1,44% do PIB.
http://2.bp.blogspot.com/-6x7cT4zvnbs/UnE0oDF3EGI/AAAAAAAAAKI/ax_DWsWssVs/s1600/charge-governo-pt.jpg
ALERTA SOBRE RISCO DE PIORA NO RATING

Segundo o Ministério da Fazenda, a operação entre Caixa e RGR só será feita no ano que vem e não tem conexão com a área fiscal. Mas os técnicos admitem que a demanda da CDE por mais recursos é elevada e difícil de calcular. Ela depende, por exemplo, da necessidade de uso das usinas térmicas. Por isso, a entrada da Caixa no cenário pode ajudar o resultado primário em 2014.

Desde o Início do ano, quando houve a desoneração das contas de luz no país, o governo enfrenta problemas com as despesas da CDE. Para bancar esse incentivo, a primeira alternativa foi vender recebíveis da usina de Itaipu que seriam pagos ao Tesouro. Mas o mercado apontou a medida como mais uma manobra fiscal. Ao vender os recebíveis de Itaipu, o Tesouro estaria vendendo uma receita futura para conseguir fechar as contas de 2013, o que poderia gerar um passivo perigoso. Por isso, em maio, o governo anunciou que não venderia mais os recebíveis de Itaipu.

Uma possível redução do rating do Brasil pela agência de risco Standard & Poor"s (S&P) teria um custo elevado, sobretudo num momento em que o país precisa investir em infraestrutura, alertou ontem o diretor executivo do grupo AGN, Roger Agnelli, que é ex-presidente da Vale:

— Quando há a possibilidade, mesmo remota, de rebaixamento da nota de crédito no Brasil, é preciso acender o sinal amarelo, roxo, vermelho, preto. Vamos agir antecipadamente para que não se tome realidade — disse Agnelli, ao participar do seminário "Reavaliação do Risco Brasil"," na sede da Firjan.

Martha Beck e Danilo Fariello O Globo