"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

janeiro 27, 2014

ENQUANTO ISSO... NOS MAIS DE 10 ANOS DE FARRA/ESBÓRNIA/MARACUTAIA/CORRUPÇÃO/MENTIRA/ATRASO : Deficit da indústria que produz bens tecnológicos chega a US$ 93,4 bilhões

http://2.bp.blogspot.com/_-diNeG6nlxU/TQj9sLDmiYI/AAAAAAAAA6w/te8ls4NkdCw/s640/sponholz1941.jpg

A indústria que produz bens com mais tecnologia agregada - 
remédios, 
máquinas, 
veículos, 
químicos, 
entre outros - 
registrou um deficit de impressionantes US$ 93,4 bilhões em suas trocas com o exterior, revela estudo feito pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). 

O valor cresceu mais de 10 vezes na última década, já que o saldo negativo era de US$ 8,6 bilhões em 2003, o primeiro ano do governo Lula. O rombo atual já representa o dobro de tudo que esses setores exportaram no ano passado: US$ 49,6 bilhões.

O levantamento do Iedi utiliza parâmetros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para agregar a indústria por intensidade tecnológica: alta tecnologia, média alta tecnologia, média baixa tecnologia e baixa tecnologia.

O número acima engloba alta e média alta tecnologia. Ao incluir os demais segmentos, o déficit total da indústria da transformação cai para US$ 59,7 bilhões - ainda assim, um número expressivo.

SETORES
Setores como alimentos e siderurgia ajudam a melhorar o resultado total. A metodologia da OCDE é mais "generosa" com a indústria que a tradicional classificação de produtos  manufaturados, porque também considera como bens industriais produtos como carne ou celulose. 

"Com a crise, os países ricos adotaram medidas para incentivar as exportações industriais. As importações do Brasil cresceram de forma avassaladora. As exportações seguiram crescendo, mas foram perdendo o fôlego", diz Rogério Cesar Souza, economista do Iedi.

Ele também ressalta a importância da desvalorização do real nesse processo.
As importações de produtos industriais saltaram de US$ 40 bilhões para US$ 206 bilhões na última década. As exportações também avançaram, saindo de US$ 57 bilhões para US$ 146 bilhões no mesmo período - mas desde de 2008, quando a crise global explodiu, estão oscilando perto do patamar alcançado no ano passado.
 

Em produtos de alta tecnologia, como remédios ou materiais de informática, o Brasil é tradicionalmente deficitário, mas o rombo nunca foi tão grande. Nesses segmentos, o déficit saltou de US$ 5,3 bilhões em 2003 para US$ 31,9 bilhões no ano passado.

O grande campo de "batalha" do comércio global, no entanto, foi a indústria considerada de média alta tecnologia. Nesses setores, que incluem veículos, equipamentos elétricos e máquinas, o Brasil ensaiou se tornar superavitário, conquistando um resultado positivo em US$ 446 milhões em suas trocas com o exterior em 2005.

Desde então, no entanto, o saldo voltou a ser negativo e cresceu exponencialmente, atingindo US$ 61,4 bilhões no ano passado. "O Brasil se tornou um país muito caro para produzir. Hoje todo setor que não é protegido acaba invadido pelos importados", diz José Velloso, vice-presidente da Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos)

COMPETITIVIDADE
Em 2013, a situação global mudou. Os países ricos voltaram a crescer, aumentando a sua demanda por produtos importados, e o real se desvalorizou, acompanhando as demais moedas dos países emergentes. Mas isso não foi suficiente para melhorar o resultado da indústria.

Apesar do câmbio mais favorável, o déficit da indústria da transformação cresceu 17,8% no ano passado. Em 2012, o resultado estava negativo em US$ 50 bilhões. Para os economistas, isso é resultado da perda de competitividade da indústria brasileira e um sinal de que a reação pode demorar a chegar. 
 RAQUEL LANDIM/ DE SÃO PAULO 
Folha

É ISSO AÍ ! CURTO E GROSSO : "Não faz parte dos meus hábitos, nem dos meus métodos de trabalho ficar de conversinha com réu"

http://4.bp.blogspot.com/-OEl9gWgPjPI/UstX0zHIl0I/AAAAAAAAuAw/IBUmh6HLexE/s1600/IMAGEM_NOTICIA_5.jpg
O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, reagiu nesta segunda-feira (27) à crítica do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), publicada ontem na Folha, de que tem feito "pirotecnia" em relação a seu mandado de prisão no esquema do mensalão.

"Esse senhor foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal, pelos 11 ministros do STF. Eu não tenho costume de dialogar com réu. Eu não falo com réu", disse Barbosa, ao chegar a Londres. "Não faz parte dos meus hábitos, nem dos meus métodos de trabalho ficar de conversinha com réu", ressaltou.

 
O ministro criticou a imprensa brasileira por dar espaço a declarações de condenados no esquema do mensalão. As críticas de João Paulo Cunha foram publicadas ontem em entrevista à Folha.

"Eu tenho algo a dizer: eu acho que a imprensa brasileira presta um grande desserviço ao país ao abrir suas páginas nobres a pessoas condenadas por corrupção. Pessoas condenadas por corrupção devem ficar no ostracismo. Faz parte da pena", afirmou o presidente do Supremo.
Ministro Joaquim Barbosa
Folha

O alegre rolezinho dos hipócritas. EU DIRIA : DOS(as) CANALHAS E SALAFRÁRIOS(as)

http://1.bp.blogspot.com/-Vm8bmyP9Tv4/UrRsZD6F3bI/AAAAAAAARNQ/4XfT73hY0ks/s1600/imaria%2Bdo%2Brosario.jpg

Os brasileiros, esses crédulos, achavam que o governo popular parasitário do PT jamais alcançaria os padrões de cara de pau do chavismo. Quando o governo venezuelano explicou que estava faltando papel higiênico no país porque o povo estava comendo mais, os brasileiros pensaram: não, a esse nível de ofensa à inteligência nacional os petistas não vão chegar. Mas o Brasil subestimou a capacidade de empulhação do consórcio Lula-Dilma. E o fenômeno dos rolezinhos veio mostrar que o céu é o limite para a demagogia dos oprimidos profissionais.

A parte não anestesiada do Brasil está brincando de achar que o populismo vampiresco do PT não faz tão mal assim. E dessa forma permite que a presidente da República passe o ano inteiro convocando cadeia obrigatória de rádio e TV. Como no mais tosco chavismo, Dilma governa lendo teleprompter. Fala diretamente ao povo, recitando os contos de fadas que o Estado-Maior do marketing petista redige para ela. Propaganda populista na veia, e gratuita, sem precisar incomodar Marcos Valério nenhum para pagar a conta. 

Só mesmo numa república de bananas inteiramente subjugada é possível um escárnio desses. O recurso dos pronunciamentos oficiais do chefe da nação existe para situações especiais, nas quais haja uma comunicação de Estado de alta relevância (ou urgência) a fazer. Dilma aparece na televisão até para se despedir do ano velho e saudar o ano novo – ou melhor, usa esse pretexto para desovar as verdades de laboratório de seus tutores. Mas agora, com a epidemia dos rolezinhos, o canal oficial da demagogia está ligado 24 horas.

Eles não se importam de proclamar na telinha que a economia está indo de vento em popa, com os números da inflação de 2013 estourando a previsão e gargalhando por trás da TV. Mas a carona nos rolezinhos é muito mais simples. Basta escalar meia dúzia de plantonistas da bondade para dizer que as minorias têm direito à inclusão no mundo capitalista – e correr para o abraço. Não se pode esquecer que o esquema petista vive das fábulas dos coitados. Delúbio Soares, hoje condenado e preso por corrupção, disse que o mensalão era "uma conspiração da direita contra o governo popular".

O rolezinho é um ato de justiça social, assim como o papel higiênico acabou porque os venezuelanos comeram muito. E a desenvoltura dos hipócritas do governo popular no caso das invasões de shoppings está blindada, porque a burguesia covarde e culpada é presa fácil para o sofisma politicamente correto. Os comerciantes dos shoppings, lesados pela queda do consumo e até por furtos dos jovens justiceiros sociais, estão falando fininho. Estão sendo aviltados por uma brutalidade em pele de cordeiro, por uma arruaça fantasiada de expressão democrática, e têm medo de fazer cumprir a lei.

A ministra dos Direitos Humanos, como sempre, apareceu como destaque no desfile da demagogia petista. Maria do Rosário defendeu os rolezinhos nos shoppings e "o direito de ir e vir dessa juventude".

A ministra está convidada a passear num shopping onde esteja acontecendo o ir e vir de 3 mil integrantes dessa juventude. Para provar que suas convicções não são oportunismo ideológico, Maria do Rosário deverá marcar sua próxima sessão de cinema ou seu próximo lanche com a família num shopping center invadido por milhares de revolucionários do Facebook, protegidos seus. Se precisar trocar as lentes de seus óculos, Maria do Rosário está convidada a se dirigir à ótica num shopping que esteja socialmente ocupado por um rolezinho.

Se a multidão não permitir que a ministra chegue até a ótica, ou se a ótica estiver fechada por causa do risco de assalto, depredação ou pela falta de clientes, a ministra deverá voltar para casa com as lentes velhas mesmo. E feliz da vida, por não ter de enxergar seu próprio cinismo socialista.


Shoppings fechados em São Paulo e no Rio por causa dos rolezinhos são a apoteose da igualdade (na versão dos companheiros): todos igualmente privados do lazer, todos juntos impedidos de consumir cultura, bens e serviços num espaço destinado a isso. É a maravilhosa utopia do nivelamento por baixo. O jeito será importar shoppings cubanos – que vêm sem nada dentro, portanto são perfeitos para rolezinhos.
 Guilherme Fiuza

COPA DAS COPAS DOS DESAVERGONHADOS E VELHACOS : Custo dos estádios da Copa do Mundo já chega a R$ 8,9 bilhões/Valor atual supera em mais de três vezes a estimativa inicial, feita em outubro de 2007


O custo dos estádios para a Copa do Mundo já supera em mais de três vezes o valor informado pela CBF à Fifa quando o Brasil apresentou seu projeto para sediar o Mundial. Cópia do primeiro levantamento técnico da Fifa sobre o País, fechado em 30 de outubro de 2007 e obtido pelo Estado, informava que as arenas custariam US$ 1,1 bilhão, cerca de R$ 2,6 bilhões. A última estimativa oficial, porém, dá conta de que o valor chegará a R$ 8,9 bilhões.

O informe foi produzido e assinado por Hugo Salcedo, que coordenou a primeira inspeção no País entre agosto e setembro de 2007. Na época, a Fifa considerou que o orçamento havia sido "bem preparado’’ e que "não havia dúvidas" sobre o compromisso do Brasil de atender às exigências da entidade.

"A CBF atualmente estima que os investimentos relacionados com a construção e reformas de estádios estão em US$ 1,1 bilhão", escreveu a Fifa em seu informe. Curiosamente, a entidade esteve em apenas cinco das 18 cidades que naquele momento brigavam para receber a Copa. Das que acabariam escolhidas, não foram visitadas Fortaleza, Recife, Salvador, Natal, Curitiba, Cuiabá e Manaus.

A Fifa, já na época, não disfarçava que o trabalho de reforma e construção dos estádios seria um desafio. "Os padrões e exigências da Fifa vão superar em muito qualquer outro evento realizado na história do Brasil em termos de magnitude e complexidade. Nenhum dos estádios no Brasil estaria em condições de receber um jogo da Copa nos atuais estados", alertou em 2007. "A Fifa deve prestar uma especial atenção nos projetos."

O time de inspeção ainda fez um alerta sobre o Maracanã. "Não atende às exigências. Um projeto de renovação mais amplo teria de ser avaliado."
  AEROPORTOS
O relatório elaborado antes de o Brasil ganhar o direito de sediar a Copa é, hoje, verdadeira coleção de promessas quebradas e avaliações duvidosas. "A infraestrutura de transporte aéreo e urbano poderia atender de forma confortável as demandas da Copa", indicou. "O time de inspeção pode confirmar com confiança que a infraestrutura de aeroportos poderia atender a um grande número de passageiros indo a jogos em viagens de ida e volta no mesmo dia."


O transporte urbano também seria "suficiente" e a Fifa garantia, em 2007, que um "serviço de trem de alta velocidade vai ligar Rio e São Paulo". Considerava a infraestrutura hoteleira "suficiente’’ e, ao avaliar o sistema de saúde do País, fez elogios aos hospitais, apontados como "referência internacional". A referência, porém, não foram os hospitais públicos.

Jami Chade - Correspondente - O Estado de S. Paulo