"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

março 21, 2010

UMA ELEIÇÃO SEM TERRORISMO? ENTÃO TÁ!

http://2.bp.blogspot.com/_xtH6W-kj6Ok/SjsIbuomuGI/AAAAAAAADgU/4vOl8otCsWw/s400/A+Paloi+lixo+copy.jpg.png
RICARDO GOZZI, ENVIADO ESPECIAL - Agencia Estado

Toda vez que um petralha do calibre de Palocci faz uma avaliação sobre qualquer tema, ou tendência, é bom ficar com um pé atrás.

Invariavelmente, tudo que parte dessa canalha é camuflada, uma cortina de fumaça, portanto, o que o violador("inocentado") de sigilo bancário sinaliza, na verdade, pode haver uma grande possibilidade de ser o oposto das intenções do partideco :

A sucessão de Lula será a primeira eleição presidencial recente no Brasil na qual os candidatos não recorrerão ao medo na tentativa de chegar ao Palácio do Planalto, avaliou na noite de sábado, em Cancún, o deputado federal e ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci (PT-SP).

O comentário sobre a sucessão foi feito por Palocci a jornalistas ao término de um seminário promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para discutir os efeitos sobre a América Latina e o Caribe da mais recente crise financeira internacional.

"Acredito que esta será a primeira eleição (para presidente) na qual as pessoas irão às urnas sem medo de votar e sem que os partidos façam uso do medo para incentivar determinados comportamentos por parte do eleitor", opinou o deputado. Palocci apontou dois motivos para justificar sua crença.

"Primeiro, o Brasil atingiu uma maturidade grande do ponto de vista macroeconômico; segundo, o fato de o eleitor estar demonstrando uma maturidade democrática, o que inibe essas tentativas."

E prosseguiu: "Eu prefiro olhar pelo lado positivo.O Brasil está bem e o medo não parece ser um fator importante nesse processo eleitoral."

Palocci afirmou ainda acreditar que o "debate será muito elevado, pois os personagens dados até o momento são pessoas muito competentes, capacitadas e experientes".

O FALSÁRIO, E A SUA COMPARSA


http://3.bp.blogspot.com/_qLRe5KLyZ6E/Snray2qv_cI/AAAAAAAAAoY/qUZhnwTRv-g/s400/LulaParole.jpg
Às vezes me criticam por ter uma escrita carregada quando me refiro ao cachaceiro e a das trevas, ora bolas, esse asqueroso não se respeita, pratica todas as ações que não se espera de um Presidente da República, é um mentiroso, um vendedor de ilusões, um falsário , enfim, não tem como negar : essa obsessão em fazer a sua sucessora, fica a cada dia evidenciado que a criadora, adminstradora e gerente de coisa nenhuma, a das trevas, é a maior de todas as mentiras desse bebum e seu partido de trapaceiros.

Então, me desculpem, não os nomeio, não os respeito, porquê não sou respeitado, esse
festival do me engana que eu gosto, inauguração do que já existia, do que um dia poderá existir, do que começou, parou, e não vai terminar etc., já deu no saco.Abaixo o resultado das várias
encenações dos falsários :


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Planalto, viajam pelo país para inaugurações que, após a desmontagem do palanque oficial, voltam a ser canteiros de obras, informa reportagem de Simone Iglesias e Eduardo Scolese, publicada neste domingo pela Folha .

O cinismo :

A Presidência alega que dados imprecisos enviados pelos Estados, a insistência de Lula em participar de alguns eventos e falhas do gabinete do Planalto explicam a inauguração de obras não concluídas.

Leia a reportagem completa na Folha deste domingo, que já está nas bancas.

Transcrição / Reinaldo Azevedo :

Com a ministra e pré-candidata petista Dilma Rousseff na garupa, o presidente Lula viaja pelo país para “inaugurações” que, logo após a desmontagem do palanque oficial, voltam a ser canteiros de obras.

Uma das estratégias do governo é fatiar ações para que determinada etapa receba o status de “concluída” e possa então ser “inaugurada” pelo presidente e pela ministra.

Em geral, esses eventos são recheados de discursos elogiosos à chefe da Casa Civil, marcados pelas aparições lado a lado de Lula e Dilma e têm como gancho obras que não funcionam efetivamente ou têm a execução retomada logo após a saída da comitiva.

Há exemplos em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Goiás, no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais. São obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e de áreas como educação, transporte, saneamento, habitação e recursos hídricos.

Levantamento feito pela Folha em 22 “inaugurações” de obras públicas realizadas por Lula desde outubro do ano passado encontrou exemplos dessas práticas em 13 delas, o que representa 60% dos casos.

Foi justamente em outubro, no início da contagem regressiva de um ano para as eleições, que Lula passou a encarar uma maratona de viagens com Dilma a tiracolo.

Naquele mês, levou a ministra para vistoriar obras da transposição do rio São Francisco, o que motivou a oposição a acusá-lo de usar a máquina de olho nas eleições.

Na semana passada, o Tribunal Superior Eleitoral multou Lula em R$ 5.000 por propaganda antecipada a favor de Dilma por conta de evento do PAC em maio de 2009 no Rio.

Sobre a tática das “inaugurações”, um caso emblemático ocorreu em janeiro. Segundo a agenda oficial, Lula esteve em Jenipapo de Minas (MG) para inaugurar uma barragem.
Na cerimônia, não faltaram apelos eleitorais.

Dilma chorou ao lembrar de sua origem mineira, enquanto Lula falou da importância de inaugurar “o máximo de obras possível” para “mostrar quem foram as pessoas que ajudaram a fazer as coisas neste país”.

“Inaugurada” por Lula e Dilma na ocasião, a barragem segue sem prazo para entrar em funcionamento, já que não conta nem mesmo com a licença de operação do Ibama (órgão ambiental da União).

“A obra hoje está praticamente concluída”, afirma o engenheiro responsável, Fernando Corrêa.

Segundo ele, ainda não foram concluídos o desmatamento e a recuperação de estradas ao redor da barragem, o sistema de drenagem e o reassentamento de famílias afetadas.

Além disso, admite: “Como o regime de chuva está diminuindo, a gente não pode operar a barragem”

IBOPE : 12,5% SE CONTRADIZEM NA MANIFESTAÇÃO

http://2.bp.blogspot.com/_81wFF9CjHjY/Sc0gDJnmQ3I/AAAAAAAAA5w/c70Rdz_qfZA/s320/contradi%C3%A7%C3%A3o.jpg

Portal Terra

Segundo dados da mais recente pesquisa do Ibope, 12,5% dos eleitores o que representa 16 milhões de pessoas apresentam contradições ao manifestar suas intenções de voto para as eleições presidenciais.

O levantamento aponta que 53% dos entrevistados deseja votar no candidato apoiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas, destes, 12% citam o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), como opção de voto. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

Há também o outro extremo: 10% dos entrevistados manifestam intenção de votar em um candidato da oposição. Destes, 3% gostariam de votar na ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT.

"A eleição não está na ordem do dia para grande parte dos brasileiros", afirmou a diretora do Ibope, Márcia Cavallari, explicando o porquê da desinformação.

"Isso tende a mudar após a Copa do Mundo e, principalmente, com o início do horário eleitoral gratuito."