"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

abril 19, 2013

PETEBRAS : Alta de importações quadruplica déficit comercial da Petrobras no 1.º trimestre

O déficit comercial da Petrobras quadruplicou no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a US$ 7,396 bilhões (R$ 14,8 bilhões, no câmbio de ontem). 
O número é resultado direto do aumento das importações de derivados, já que, com a produção estagnada, a estatal não tem conseguido suprir o aumento da demanda doméstica.

De janeiro a março, a Petrobras elevou em 40,2% as compras e viu encolher em 50,3% suas vendas para fora do País. O problema é que os preços internacionais estão em nível mais elevado, o que sacrifica ainda mais o caixa da companhia. 
Mesmo o reajuste de 6,6% no preço da gasolina e de 5,4% no diesel no fim de janeiro foi insuficiente para equilibrar essa conta.

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, as importações da estatal somaram USS10,166 bilhões de janeiro a março. 
As exportações totalizaram US$ 2,77 bilhões. 
Em 2012, o saldo da Petrobras no primeiro trimestre também foi negativo, mas bem inferior, de US$ 1,679 bilhão. 
 
A Petrobras tem registrado, na verdade, até queda na produção.
O último dado divulgado pela empresa é relativo a fevereiro: 
foram 1,92 milhão de barris por dia de óleo e de gás natural liquefeito, 2,25% menos que em janeiro, quando também houve queda, de 3, 3%. 
A produção no Brasil, como já informou a presidente da companhia, Graça Foster, só deve voltar a subir em 2014. 


Além disso, uma questão contábil eleva ainda mais o déficit comercial da estatal este ano. 
 A Petrobras atrasou os registros de importações em 2012, por conta de uma nova instrução normativa da Receita Federal, que concedeu mais prazo à estatal Por conta disso, foram registradas até agora US$ 2,6 bilhões em importações que deveriam ter sido contabilizadas em 2012. 
Ainda faltariam outros US$ 1,9 bilhão para serem computados.

Os dados da balança da Petrobras e das maiores exportadoras do País foram divulgados ontem pela Secex. No caso da estatal, consideram apenas as operações da holding, excluindo controladas como a Petrobras Distribuidora. 
Os números do ministério diferem dos informados pela Petrobras por causa de critérios metodológicos. No próximo dia 29, a estatal vai divulgar o balanço do primeiro trimestre, também com os dados de sua balança comercial.

Com a queda das vendas externas, a Petrobras se distanciou da Vale no ranking das exportadoras. A mineradora encerrou o trimestre com alta de 3,8% nas exportações, com US$ 5,566 bilhões. 
A diferença entre as duas ficou em quase US$ 3 bilhões a favor da Vale. 
No primeiro trimestre de 2012, a Petrobras estava na liderança, com US$ 5,572 bilhões, ante US$ 5,363 bilhões da Vale. A mineradora, porém, já era a maior exportadora líquida, porque importa pouco.

André Magnabosco O Estado de S. Paulo

A INFLAÇÃO É UMA CONQUISTA "DUS GUVERNUS" DO CACHACEIRO PARLAPATÃO E DA GERENTONA QUEBRA 199 : IPCA-15 acelera em abril e supera em 12 meses teto da meta

http://3.bp.blogspot.com/-mQpP3tIRJts/UW0hykNTY5I/AAAAAAAASgc/dROZJq2r9K4/s1600/cpPT10MINAS3.jpg
A inflação brasileira acelerou o passo em abril, com nível elevado de disseminação da alta dos preços e afetada pelos alimentos e gastos com habitação, em mais um sinal de resistência da inflação em patamar elevado apesar das medidas adotadas pelo governo para segurar os preços.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,51 por cento em abril, ante alta de 0,49 por cento em março, acumulando em 12 meses 6,51 por cento, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado de abril, a prévia da inflação oficial superou o teto da meta do governo, de 6,50 por cento pelo IPCA, e ficou acima dos 12 meses imediatamente anteriores (6,43 por cento).

O IPCA, referência para a meta de inflação, já havia superado o teto em março, ao acumular alta de 6,59 por cento em 12 meses.

"O quadro não mostra sinal de arrefecimento (do preços)", resumiu o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa. Ele destacou que, embora a difusão tenha passado de 70 por cento nos últimos meses para 68 por cento em abril, "mostra um patamar elevado de disseminação da alta e um quadro de resistência da inflação".

O resultado mensal de abril do IPCA-15 igualou a projeção mais alta em pesquisa realizada pela Reuters, que apontou expectativa de alta de 0,46 por cento segundo a mediana de 26 analistas. As projeções variaram de 0,42 a 0,51 por cento.

Apesar da aceleração da inflação, os juros futuros continuaram caindo nesta sexta-feira, dando continuidade ao movimento iniciado na véspera, por conta da sinalização do BC de que o aperto monetário pode ser menor do que o esperado.

Camila Moreira
(Reuters)