"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

julho 16, 2010

INCERTEZAS : VAZAMENTO BP - ELEIÇÕES x CAPITALIZAÇÃO PETROBRAS

http://2.bp.blogspot.com/_M5mQhY1RgcI/Soy_xe5edFI/AAAAAAAAFtE/v-oMFXENTM4/s400/Brazi22l-Petrobras.jpg
A proximidade das eleições de outubro e o vazamento de óleo no Golfo do México serão fatores de risco para a capitalização da Petrobras, prevista para setembro.

Essa é a avaliação de agentes envolvidos diretamente no processo, que advertem sobre a existência de diversas incertezas técnicas e políticas em torno de uma das maiores e mais complexas operações de aumento de capital do planeta.

Diante desse cenário, os investidores privados, nacionais e estrangeiros, que somam 60,3% do capital total da companhia - os 39,7% restantes são da União e do BNDESPar -, tendem a forçar um valor menor pelo preço das ações para poderem entrar na capitalização.

Para os estrategistas do governo, o risco eleitoral é considerado grande, pois o processo ocorrerá em setembro deste ano, no auge do debate político. Segundo fontes do mercado, haverá pouco tempo para vender aos investidores a capitalização.

Até 20 de agosto, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) deve encerrar a avaliação dos barris em áreas do pré-sal a serem cedidas à estatal pela União, sistema denominado cessão onerosa.

Esse valor será confrontado com o verificado pela empresa contratada pela Petrobras para fazer a mesma avaliação. A data final para assinatura do contrato é 31 de agosto.

Cresce também a preocupação com o acidente no Golfo do México, diante das dificuldades que a britânica BP teve para conter o vazamento por quase três meses. Segundo os analistas, esse fator exigirá esforço da Petrobras para convencer os investidores de que a operação no pré-sal é segura.

Segundo analistas, o vazamento da BP, ao lado de incertezas sobre o crescimento mundial, provocaram um tombo de US$279,1 bilhões no valor de mercado das dez maiores empresas de petróleo no mundo, segundo dados da Bloomberg, um recuo de 15,2% até ontem.

Agência O Globo/ Gustavo Paul e Patrícia Duarte

Nenhum comentário: