"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

junho 24, 2010

EM 1 ANO - 4,8%/PIB GASTOS COM FUNICONALISMO E 1,2% EM INVESTIMENTOS. É O REINO DA CACHAÇA.

http://2.bp.blogspot.com/_nEwMkRPD6Ns/Ss3uNpyYvcI/AAAAAAAAA88/QzYUdTEOB-U/s320/A+-+TREM+DA+ALEGRIA+3.jpg
Um estudo do Ministério do Planejamento sobre o impacto efetivo do projeto que reajusta em 56%, na média, os vencimentos dos 100 mil funcionários dos tribunais superiores do País confirma que não há limites para a irresponsabilidade fiscal daquele que já é o mais pródigo dos Três Poderes.

Segundo o levantamento divulgado ontem pelo Estado, o piso salarial dos auxiliares judiciários, como copeiros, garçons e contínuos, que exercem funções de apoio para as quais se requer apenas escolaridade fundamental, passará a ser R$ 3.615,44.

Se, por exemplo, um interessado em trabalhar como agente de segurança numa empresa do setor pedir remuneração inicial de R$ 7.500 mensais, decerto será rejeitado e aconselhado a procurar ajuda psiquiátrica.

Mas, na proposta do Judiciário, esse é o piso desejado para os responsáveis pela segurança dos ministros das Altas Cortes (R$ 7.529,13, para sermos exatos).

No topo da carreira, serão R$ 14.591,90.


O teto, incorporando as vantagens pessoais do serviço público, que tendem a dobrar, ou mais, a paga inicial, chegará a R$ 8.479,71.
A proposta não faz menção a tais valores.
Um anexo informa apenas o montante dos vencimentos básicos, acrescidos de uma gratificação.


Tem mais:
se o projeto passar como está o que é bem provável, dado o receio dos políticos de brigar com a magistratura , um analista judiciário que tenha doutorado e exerça cargo de confiança há duas décadas receberá no fim da carreira R$ 33.072,55.
Decerto serão poucos os servidores nessa invejável situação.


Calcula-se que os aumentos propostos custem R$ 6,4 bilhões ao erário.

O ministro do Planejamento
, Paulo Bernardo, adverte que não há como pagar o reajuste este ano.
Mas isso nada significa para a vasta confraria do "quero o meu" e os seus prestadores de serviços no Congresso Nacional.


A União gastou nos 12 meses encerrados em abril 4,8% do PIB com o funcionalismo (R$ 155,2 bilhões em valores absolutos).
No mesmo período, os investimentos do governo federal representaram 1,2% do PIB (ou R$ 40,1 bilhões).

O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário: