"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

junho 18, 2013

Roberto Gurgel diz que sociedade está "cansada da impunidade" . Ayres Britto também defende manifestações nas ruas

http://3.bp.blogspot.com/-bNYSLkrkDJ0/TxBQBLTqHjI/AAAAAAAAAVM/xjHGo9YSan0/s1600/logo%2Bimpunidade.jpg
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou, nesta terça-feira (18/6), que as manifestações em curso nas grandes cidades do país demonstram que a sociedade está "cansada da impunidade". Segundo ele, o fato de "esses jovens que ocupam as ruas terem incluído entre outros temas a PEC 37 evidencia que há uma preocupação geral com essa verdadeira mutilação do Ministério Público".

A afirmação foi feita por Gurgel num intervalo do debate promovido pelo Colégio de Procuradores da República com parlamentares, autoridades do Executivo, associações de juízes e entidades defensoras de direitos humanos sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37/2011, que visa a conferir exclusividade da investigação criminal às polícias civis e federal.

O chefe do MPF considera as manifestações de rua " sempre legítimas, como foi dito pela presidente Dilma Rousseff", embora não devam ocorrer "atos de violência e de destruição do patrimônio".

Ayres Britto

Já o ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal Ayres Britto - também participante da manifestação do Ministério Público - fez o seguinte comentário sobre as manifestações que ocorrem no país:
 "É o modo de protagonizar a cidadania. É a protagonização do cidadão pelo modo mais direto. Isso não é ruim. isso é muito bom. É o chamamento das instituições para o cumprimento do papel que lhes cabe, de atuar como locomotiva social. Nesse momento, o povo não é vagão, é a própria locomotiva de seu destino. Isso confere a ele, povo, a mais legítima autoridade para passar um pito nas autoridades instituídas.E como o movimento tem sido pacífico, a violência não parte em linhas gerais da população, há de ser saudado como expressão da mais depurada e até avançada democracia".

Luiz Orlando Carneiro
O Jornal do Brasil 

Nenhum comentário: