"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

maio 03, 2013

SEM "MARQUETINGUE" ! O DE(s)CÊNIO QUE NINGUÉM VÊ NA TEVE : Piora nas exportações levanta hipótese de deficit na balança comercial em 2013

http://2.bp.blogspot.com/_pOX3F4clJ3I/TM8oGnN-hFI/AAAAAAAABnY/zBS_duOtr44/s1600/Lula,+Dilma+e+Michel.jpg
Com o resultado negativo recorde da balança comercial em abril, especialistas já consideram a possibilidade de deficit no ano. Seria a primeira vez, desde o ano 2000, que as importações superariam, em valor, as exportações.

Dentro do próprio governo, o superavit é considerado incerto, apurou a Folha. Segundo técnicos que acompanham os dados de comércio exterior, o saldo positivo está "em xeque".

No mês passado, a conta ficou no vermelho em US$ 1 bilhão, levando o país a acumular um deficit recorde também para o quadrimestre, de US$ 6,2 bilhões. A série histórica do Ministério do Desenvolvimento, que divulgou os dados ontem, começa em 1993.

Desde 2001, o país não registrava resultados negativos na balança comercial.

Parte do resultado negativo neste ano já era prevista pelo governo, que considerava desde janeiro a possibilidade de deficit nos primeiros meses de 2013.

Isso porque o país começou o ano com estoque de US$ 4,5 bilhões em importações feitas pela Petrobras em 2012 e cujo valor só começou a ser registrado em 2013.

Sabia-se que as importações iriam subir. Mas não estava nos cálculos uma queda de 4,2% nas exportações.

Com queda da demanda global e produção menos robusta da Petrobras, a venda de petróleo caiu 54%, derrubando o desempenho dos produtos básicos, que garantem o saldo comercial.

Do lado dos industrializados, em que o Brasil sofre problemas de competitividade, houve queda significativa nas vendas de óleos combustíveis (-39%) e de aviões (-35%).

Os números acenderam o sinal amarelo de analistas.

A Associação de Comércio Exterior do Brasil afirma que terá de revisar para baixo suas estimativas para o ano e que não descarta a possbilidade de deficit. A previsão atual é de saldo de US$ 14,5 bilhões, o que já representaria queda de 25% ante os US$ 19,4 bilhões de 2013.

A estimativa da Confederação Nacional da Indústria, de US$ 11,3 bilhões, também passará por revisão.

A deterioração da balança preocupa por seu efeito nas contas externas. Em fevereiro, o Banco Central elevou a projeção de deficit externo do país, para US$ 67 bilhões, pela expectativa de ganhos menores com o saldo comercial.

Os cálculos se amparam numa estimativa de US$ 15 bilhões de superavit, saldo considerado improvável por especialistas e governo. Com isso, o deficit não será inteiramente financiado pelos investimentos estrangeiros, que ficarão em US$ 65 bilhões neste ano, segundo o BC.


BALANÇA NO VERMELHO

US$ 71,47 bi
é o valor das exportações no acumulado do ano

US$ 77,61 bi
é o valor das importações entre janeiro e abril 
RENATA AGOSTINI DE BRASÍLIA
Folha

Nenhum comentário: