"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

maio 03, 2013

DE(s)CÊNIO DOS FARSANTES E FALSÁRIA 1,99 : Rombo sobe 165%


http://1.bp.blogspot.com/-K759DMVawME/Tik79ZIU3cI/AAAAAAAACLI/YxwZDOYuGHM/s320/dilma-autoriza-concurso-para-o-inss_jpg_280x200_q85_crop.jpg

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) registrou, em março, o pior resultado para o mês desde 2010: 
deficit de R$ 5 bilhões, valor 165,9% maior do que no mesmo período do ano passado. 
Segundo o Ministério da Previdência, a arrecadação de contribuições somou R$ 22,7 bilhões, volume insuficiente para cobrir a folha de benefícios, que alcançou R$ 27,7 bilhões.

Entre os fatores que contribuíram para o aumento do rombo, segundo o ministério, estão o reajuste de 9% do salário mínimo a partir de janeiro, o aumento do estoque de benefícios e a revisão das aposentadorias pagas por incapacidade de trabalho dos segurados. Apenas essas revisões elevaram as despesas em R$ 1,1 bilhão.

A quantidade total de pagamentos também cresceu. Em março, o INSS contabilizou 30,2 milhões de benefícios diversos, um aumento de 3,4% em relação a um ano antes. Desse total, 16,8 milhões são aposentadorias. Já o salário mínimo pesa sobre as contas da Previdência porque mais de 70% dos segurados recebem mensalmente o equivalente ao piso salarial.

As desonerações promovidas pelo governo para reduzir o custo das empresas com a folha de pagamento também afetaram o resultado, mas o ministério não informou qual foi o impacto das medidas.

Considerando somente os trabalhadores urbanos, o sistema previdenciário não apresentou deficit em março, uma vez que as receitas somaram R$ 22,2 bilhões e as despesas, R$ 21,7 bilhões. O setor rural, por sua vez, arrecadou apenas R$ 483,5 milhões, para um gasto de R$ 6 bilhões com benefícios.


R$ 1,7 bilhão entra no país

Depois de um desempenho fraco no mês de março, o fluxo de dólares para o Brasil voltou a apresentar desempenho positivo em abril, um saldo de US$ 1,7 bilhão até o dia 26. 
Segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central, o ingresso de capital estrangeiro no país têm sido alimentado pelos exportadores, que aproveitam a cotação da moeda ao redor de R$ 2 para repatriar recursos que estavam guardados lá fora. 
No mercado financeiro, em contraponto, a fuga de capitais se intensificou no mês passado: 
as saídas superaram os ingressos em US$ 2,6 bilhões.

Nenhum comentário: