"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

maio 25, 2012

E NO EMBALO(DA HORA) DO TUDO 100/200/300% "PREPARADO", MAS, SEM "MARQUETINGUE" : Navio que não navega


O navio João Cândido vai ao mar hoje.
Em outros tempos, o governo petista estaria fazendo a maior algazarra para marcar o "feito histórico".

No entanto, depois de uma trajetória marcada por vexames, o petroleiro tornou-se símbolo de um fracasso do qual a presidente Dilma Rousseff agora quer distância.


Há dois anos, ela e Lula estiveram em Ipojuca (PE) para "inaugurar" o navio - na quarta ida do então presidente ao estaleiro. Na ocasião, não faltaram fanfarras, discursos ufanistas e júbilos, parte da extemporânea e ilegal campanha da então candidata - as imagens são reveladoras.

Naquele 7 de maio de 2010, o João Cândido tocava as águas pela primeira vez. Deveria começar a navegar oceanos quatro meses depois. Mas só agora, três anos e oito meses após o início de sua construção, o petroleiro está sendo entregue.

Não se sabe ao certo se o navio irá, de fato, singrar os mares: o portento que foi transformado pelo discurso do PT no "símbolo do renascimento da indústria naval" brasileira - como dizia uma das peças de campanha de Dilma em 2010 - mal consegue boiar.

O João Cândido é desconjuntado, defeituoso, torto. "O navio teve de ser retirado da água, sob o risco de afundar. Uma boa parte da embarcação também teve de ser desmontada, especialmente em função dos problemas de soldagem.

Os problemas estruturais são tamanhos que chegou-se a considerar a hipótese de perda total da embarcação", publicou o Valor Econômico em março.


Imagine a situação: o João Cândido vai ao mar e, por infelicidade, ou justamente em consequência de toda a irresponsabilidade envolvida na sua construção, naufraga com sua carga de 1 milhão de barris de petróleo.

Impossível calcular a dimensão de tamanho desastre, humano e ambiental, de vidas e de óleo ao mar.


Os problemas enfrentados pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS), onde o João Cândido foi construído, se devem, em parte, à sanha politiqueira do PT. Para caber no cronograma eleitoral, a construção do estaleiro e a montagem do navio tiveram de ser feitas concomitantemente, de forma atabalhoada.

Foi o caminho mais curto para o desastre.


As condições de trabalho, que já seriam difíceis para quem jamais montara sequer uma lancha, tornaram-se sofríveis. Os empregados - o EAS chegou a contar com 11 mil e hoje tem metade disso - trabalhavam sob temperaturas desumanas, agravadas pelo sol inclemente e pelo calor emanado dos equipamentos de solda, o que aumentava o tempo gasto em algumas operações em até oito vezes.

Na base do improviso, o EAS naufragou num oceano de prejuízos.
Em 2011, fechou seu balanço com R$ 1,47 bilhão no vermelho - as receitas não cobriram sequer gastos com mão de obra e materiais.

Horrorizados, os sócios coreanos pularam fora, e agora o estaleiro busca no exterior parceiros que entendam do assunto - construir navios não é com a Camargo Correa, nem com a Queiroz Galvão, as construtoras remanescentes no negócio.


Este seria um problema privado, não fosse um detalhe:
o estaleiro só existe graças às benesses do BNDES.

O EAS tem 22 navios encomendados pela Transpetro para entrega até 2016. A carteira soma R$ 7 bilhões, dos quais 90% financiados pelo banco oficial. Apenas com os primeiros três petroleiros que constrói, a empresa perdeu dinheiro suficiente para fabricar um navio (R$ 333 milhões), conforme reconheceu no balanço de 2011.

Sem condições de começar pagar o que deve, o EAS já pediu mais prazo para o BNDES.


O naufrágio do João Cândido é parte de uma malsucedida estratégia voltada a ressuscitar, na marra, a indústria naval brasileira, levada a cabo por Lula e mantida por Dilma. À base de uma política de reserva de mercado, que exige conteúdos nacionais mínimos, sai caríssimo produzir embarcações no país.

A operação só para em pé com muito dinheiro público.


O João Cândido, por exemplo, deverá custar R$ 495 milhões, ou mais de 53% acima da previsão inicial, segundo mostrou o Jornal do Commercio. Prometido para até o fim deste ano, o segundo navio a ser fabricado pelo EAS, o Zumbi dos Palmares, vai sair 24% mais caro que o estimado, isto é, R$ 424 milhões.

Já outro produto do estaleiro, a P-55 encareceu 20% e custou R$ 1 bilhão. Trata-se de outro vexame. Entregue em dezembro passado, a plataforma ainda não funciona e terá de sofrer reparos no Rio Grande do Sul antes de finalmente começar a produzir.

Com isso, a Petrobras, que a contratou, teve de postergar a extração de 180 mil barris diários de petróleo para o fim de 2013, deixando de faturar pelo menos US$ 15 milhões por dia.


Onde quer que se olhe, os resultados da política petista para o setor naval ainda são uma miragem. Dos oito novos estaleiros previstos, destinados a construir equipamentos necessários à exploração do pré-sal, somente três funcionam, ainda que precariamente, como é o caso do EAS.

"A única certeza que se tem ao começar um projeto de construção é de que não vai acabar no prazo", disse um presidente de estaleiro a
O Estado de S.Paulo, em março.

Em junho de 2010, Lula publicou no Zero Hora artigo intitulado "Indústria naval renasce das cinzas". Nele, afirmava:
"A retomada da indústria naval é irreversível.(...)Os reflexos desta verdadeira explosão da indústria naval estão se espraiando por toda a economia e beneficiando, direta ou indiretamente, todos os brasileiros."

Como o navegar impreciso do João Cândido atesta, é possível que, nunca antes na história deste país, o ex-presidente tenha se equivocado tanto.


Fonte: Instituto Teotônio Vilela
Navio que não navega

Um comentário:

Antonio Rubilar B. Valente disse...

Amigos!
O governo da Dilma está enfrentando tantos problemas, que o caso do navio entregue pelo estaleiro vai acabar ficando num rodapé de um jornal como o Estadão ou O Globo.Lula ainda "sobrevive" das "cinzas! de seu governo e Dilma pelo visto, é aquela que vem atrás com um balde de água fria para que o fogo não volte a pegar.É isso! Um ótimo fds para vc!Abração, Rubi.