"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

fevereiro 05, 2013

LÁ E CÁ ! Ética, política e álcool

http://4.bp.blogspot.com/-HUu6pmSfdjw/UKlGdDbJoQI/AAAAAAAAG7E/OhiHrvOxZYc/s1600/Brasil+e+Portugal.jpg

Uma discussão interessante ganhou corpo entre nossos irmãos portugueses. Flagrada em uma blitz da lei seca no início de janeiro, a deputada socialista Glória Araújo encontra-se no furacão de uma polêmica que envolve ética, política e responsabilidade civil.

Às 3h20, no centro de Lisboa, os policiais da Operação Stop pararam o veículo conduzido pela parlamentar, que naquela madrugada retornava da festa de aniversário de 37 anos.

Ao que consta, Glória Araújo não se recusou a soprar o bafômetro, medida largamente utilizada por muitos motoristas brasileiros, sob a alegação de que não se deve produzir prova contra si próprio. O teste no etilômetro acusou 2,41 gramas de álcool no sangue, medida que configura crime segundo o Código da Estrada português.

Esta semana, Glória Araújo comentou o episódio ao jornal i. E lançou sua defesa. Admite que cometeu um erro, mas entende que um flagrante de crime de trânsito não é suficiente para perda de mandato parlamentar.

“A análise que faço do que se passou e do erro que cometi não me leva a concluir que isso me obrigue a renunciar ao meu mandato ou a tomar qualquer outro tipo de atitude para além daquela que já tomei.(...) Serei julgada e a sentença que me for atribuída, cumpri-la-ei como qualquer outro cidadão”, disse Glória Araújo. Não é assim que pensam os leitores do Público.

Em enquete proposta pelo site do jornal, até ontem à tarde, 65% dos internautas afirmavam que a deputada deve renunciar, por dois motivos:
a) Cometeu um crime;
e b) Quem votou no Partido Socialista poderá não se sentir representado pela senhora deputada.

Na outra ponta, 35% dos participantes não viam razão em haver uma punição na esfera política para Glória Araújo.

É de se perguntar se os políticos brasileiros — e os deputados e senadores em particular —, enfrentariam esse gênero de debate por conta de um delito que não tem relação direta com a atividade parlamentar.

Na Câmara dos Deputados que acabou de eleger Henrique Eduardo Alves, segue forte a pressão para a casa legislativa confrontar a sentença condenatória do Supremo Tribunal Federal contra três parlamentares envolvidos no mensalão.

E o novo presidente do Senado acredita que a ética é tão somente um instrumento para se buscar um bem maior, chamado interesse nacional.

Eis aí mais uma das peculiaridades do nosso país.

Carlos Alexandre Correio Braziliense

Nenhum comentário: