"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

agosto 02, 2013

A "BATUTA" GERENTONA 1,99 E O SEU brasil maravilha II : Balança comercial tem deficit de US$ 1,9 bilhão, pior resultado para o mês em 20 anos

http://4.bp.blogspot.com/-fgJ-IBs579A/T9xPCyssA4I/AAAAAAAACi8/yY4vbUgnYko/s640/PACOTE+DE+DILMA.jpg

A balança comercial brasileira, que mostra a diferença entre as importações e as exportações do país, registrou deficit de US$ 1,9 bilhão em julho, o pior resultado para o mês da série histórica, iniciada em 1993.

Com isso, o saldo comercial no acumulado do ano ficou negativo em US$ 5 bilhões, também um recorde histórico. Antes, o maior deficit havia sido registrado em 1995, quando o saldo ficou negativo em US$ 4,2 bilhões nos primeiros sete meses do ano.

No mesmo período do ano passado, o saldo ficou positivo em US$ 9,9 bilhões.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (1) pelo Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

O país já iniciou o ano com perspectiva de deficit nos primeiros meses diante do atraso no registro de importações de combustíveis da Petrobras no valor de US$ 4,5 bilhões.

As operações de compra da estatal foram feitas ao longo do segundo semestre de 2012, mas contabilizadas apenas este ano devido a uma mudança nas regras de registro da Receita Federal.

Apesar do deficit expressivo nos primeiros sete meses, o governo segue apostando em superavit para o ano.

"Nossa avaliação está mantida com a previsão de um saldo positivo, ainda que bastante inferior ao verificado no ano passado. A despeito do deficit acumulado de US$ 5 bilhões, há uma série de fatores positivos que apontam para recuperação", afirmou Tatiana Prazeres, secretária de comércio exterior do Mdic.

Segundo ela, o mês de julho foi "atípico", principalmente pelo comportamento da chamada "conta petróleo", que mede as importações e exportações do produto. O deficit nesta conta alcançou US$ 15,4 bilhões nos primeiros sete meses do ano. O governo aposta, no entanto, que haverá recuperação na produção de petróleo no segundo semestre.

"Seguimos com patamar elevado de exportações a despeito do resultado da conta petróleo. Não há variável mais importante para a compreensão do comércio exterior brasileiro do que a conta petróleo", disse.

Especialistas de comércio exterior apontam para a possibilidade de deficit comercial no ano.

A AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil) revisou para baixo este mês as perspectivas para a balança comercial e previu saldo negativo de US$ 2 bilhões em 2013. Caso confirmado, este seria o pior resultado em 15 anos.

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

As exportações em julho chegaram a US$ 20,8 bilhões, queda de 5,2 % frente ao mesmo mês de 2012 pela média diária.

Houve queda nas vendas de básicos (-4,4%) e semi manufaturados (-24,5%), enquanto as de manufaturados subiram marginalmente (+0,6%).

No acumulado do ano, houve queda de 1,5% ante o mesmo período de 2012, com as vendas ao exterior alcançando US$ 135,2 bilhões.

Já as importações em julho somaram US$ 22,7 bilhões, alta de 19,7% em relação ao verificado em julho do ano passado pela média diária.

Cresceram as compras em todas as categorias: bens de consumo (+11%), bens de capital (+12%, matérias-primas e intermediários (+10,4%) e combustíveis e lubrificantes (+67,5%).

Nos sete primeiros meses do ano, as compras do exterior foram de US$ 140,2
bilhões, alta de 10% frente ao registrado no mesmo período de 2012.

DESTINOS DOS PRODUTOS BRASILEIROS

De janeiro a julho, o Brasil conseguiu aumentar as vendas para Argentina (+9,1%) e China (+8,5%) entre seus principais mercados.

Por outro lado, houve retração nas exportações para Estados Unidos (-14,2%) e União Europeia (-6,4%).

BALANÇA NO PRIMEIRO SEMESTRE

Em junho, a balança comercial registrou superavit de US$ 2,4 bilhões, o triplo do verificado no mesmo mês do ano passado.

Apesar do resultado positivo no mês, o saldo comercial no semestre ficou negativo em US$ 3 bilhões, o mais baixo desde 1995, quando registrou deficit de US$ 4,2 bilhões. 

RENATA AGOSTINI/Folha

Nenhum comentário: