"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

junho 06, 2010

O TRÁFICO NO PAÍS.

http://www.auriverde.am.br/site/img/upload/noticias/forca-tatica-prende-tres-homens-quando-negociavam-drogas-no-nucleo-beija-flor1268230599.jpg

Marinella Castro/Zulmira Furbino/Correio


B. B. F., 35 anos, atua há 15 anos no mesmo ramo. Apesar dos altos e baixos do mercado, ele sempre se manteve fiel à venda do mesmo produto.

Do dia 1º ao dia 10 de cada mês, ganha R$ 15 mil. Nos 20 dias que restam, garante cerca de R$ 20 mil.
Por ano, seu faturamento chega a R$ 420 mil.

O lucro líquido obtido com o negócio atinge 80%. B. é o último elo entre o atacado e o varejo de uma indústria que fatura por ano R$ 1,4 bilhão no Brasil e US$ 320 bilhões no mundo:
o tráfico de drogas.


No mercado interno, a venda de cocaína, maconha, crack, ecstasy e heroína movimenta o suficiente para comprar 13 bancos Mercantil do Brasil, 19 fábricas de brinquedo Tectoy ou 13 refinarias de petróleo Manguinhos, tomando como referência o valor de mercado dessas empresas no fim do ano passado.

Já a movimentação financeira do tráfico no mundo equivale a três vezes o faturamento de 2009 da Petrobras e bate a soma das receitas brutas da estatal do petróleo, do Itaú, do Banco do Brasil, do Bradesco e da Vale no mesmo período.

Os números relativos ao faturamento no mercado interno foram estimados pela reportagem a partir do cruzamento de dados constantes no último relatório mundial do escritório da Organização das Nações Unidas Sobre Drogas e Crimes (Undoc).

Se é assustador saber que as vendas de drogas no país garantem rendimentos que ultrapassam a casa do bilhão de reais, comparar o seu valor de mercado com a cotação internacional das principais commodities exportadas pelo Brasil pode dar uma ideia do peso do tráfico na economia mundial.

Mesmo levando em conta que o grama de cocaína custa hoje três vezes menos que há 10 anos, a lucratividade do produto no atacado é praticamente imbatível.

E o mesmo acontece com outras drogas. Enquanto uma tonelada de bobina a quente, o principal produto da indústria siderúrgica mundial, é vendida no mercado internacional por US$ 750, no atacado, a tonelada de cocaína custa US$ 3 milhões.

Rota internacional

Saiba como operam os elos da cadeia do tráfico na América do Sul e no Brasil:

# A produção geralmente ocorre na Bolívia, na Colômbia e no Paraguai

# Grandes distribuidores são responsáveis por levar os produtos em segurança até o Brasil, onde terão destino final, passando por redes nacionais e regionais

# A droga chega aos distribuidores locais que revendem o produto no varejo

# O distribuidor local tem sua rede nas chamadas bocas de venda de drogas em vilas e favelas

# Nas vilas e favelas, vende-se o produto em gramas, pedras, comprimidos ou papelotes. Ali, o tráfico perde a sua conotação de crime organizado. O lucro cai e a criminalidade cresce

Fonte: Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp) da UFMG

2 comentários:

Lord disse...

offtopic

ELEIÇÕES 2010 - TSE, candidatos deverão apresentar certidão criminal, que será apresentada, no registro da candidatura. O documento será digitalizado e colocado à disposição do eleitor na página do TSE na Internet.
Ainda de acordo com a resolução do TSE terá que ser apresentado também certidões de objeto e pé, com detalhes sobre o andamento de cada processo.
Cara nova no congresso vai divulgar estas informações do TSE.
Quando isto acontecer conto com a colaboração de todos
Eleja, não reeleja
Vamos Limpar o congresso
Espero que o TSE não esconda estas informações
Lord
caranovanocongresso@blogspot.com
caranovanocongresso@sapo.pt

Anônimo disse...

O PAÍS DEVERIA FISCALIZAR MAIS OS PROPRIOS AGENTES POLICIAIS, E O POLITICOS,OS MESMOS FAZEM TUDO E NÃO ACONTECEM NADA, ASSIM SENDO OS EXPORTADORES DE CAFE, FIZERAM ERRADOS, MAS NÃO QUANTO OS POLITICOS QUE ESTÃO POR AI À MERCÊ DE TODOS E A CADA DIA COMENDO O DINHEIRO DO POVO TRABALHADOR, OS PRÓPRIOS FUNCIONÁRIOS PUBLICOS COMO EU.FICO TRISTE ,POIS COM ELES NÃO ACONTECEM NADA , COMO POR EXEMPLO A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DE ARACRUZ MARILZA FURIERI JUNTO COM SEU MARIDO GIL FURIERI (VEREADOR DA CIDADE)MANDA E DESMANDA NA CIDADE ROUBAM, ROUBAM E NO FINAL VOLTAM PARA SEU CARGO COMO SE NÃO FOSSE NADA, É LAMENTÁVEL.