"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

fevereiro 14, 2014

brasil maravilha/BRASIL REAL. OU : VERSO/REVERSO - IBC-Br decepciona, mas economistas têm cautela ao falar em recessão. IBC-Br, conhecido como 'PIB do BC', indicou crescimento econômico de 2,52% em 2013, mas apresentou resultados negativos para dezembro e para o 4.º trimestre

http://2.bp.blogspot.com/_k3IKh79wICM/TH3c3hecfxI/AAAAAAAAHE4/qyn6-CZHmeE/s640/Dilma_FESTA_PARA_PREFEITOS


Chamado de 'PIB do BC' e considerado um termômetro para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta sexta-feira, 14, aponta para um crescimento de 2,52% da economia brasileira em 2013.

Apesar do indicador positivo para o ano, chamou a atenção dos economistas os resultados negativos seguidos para os dados mensal e trimestral, quadro que configura recessão técnica.

No quarto trimestre, houve queda de 0,17% em relação aos três meses anteriores, depois da queda de 0,21% na comparação do terceiro com o segundo trimestre, no dado com ajuste.

Já em dezembro, o indicador caiu 1,35% na comparação com o mês anterior, após registrar queda de 0,64% em novembro ante outubro.


O resultado foi considerado decepcionante pelos economistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, mas os analistas foram cautelosos ao falar em recessão técnica. Isso porque, na prática, o que vale é o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) que será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no dia 27 de fevereiro. Vale lembrar que o PIB do terceiro trimestre de 2013 registrou queda de 0,5%.

Os índices negativos do IBC-Br no quarto trimestre e em dezembro mostram uma evolução "bastante lenta" da economia brasileira, mas ainda fora de uma ameaça de recessão, avalia o diretor de Pesquisa Econômica da GO Associados, Fabio Silveira. "O ritmo de crescimento é baixo por conta de inflação, juro alto, pouco dinamismo do setor exportador e da indústria que não consegue competir bem nos mercados externo e doméstico", disse. "Mas não defenderia uma recessão, por enquanto, porque temos 'gorduras' como varejo, serviços e massa salarial que, mesmo crescendo menos, ainda sustentam o aumento de 2% na economia em 2014 e 2015", afirmou. 

O economista-chefe do banco ABC Brasil, Luis Otávio Leal, avaliou que os dados do IBC-Br confirmam que o Brasil está crescendo em ritmo decepcionante. "O que esperávamos para a economia há alguns anos não está se realizando", afirmou. Luis Otávio Leal pondera, no entanto, que o quadro apontado pelo IBC-Br não necessariamente vai se repetir no PIB calculado pelo IBGE. "É difícil dizer se o PIB do quarto trimestre será ou não negativo, o que também configuraria recessão. No trimestre passado, o PIB foi pior que o IBC-Br, mas no anterior foi o contrário. Não tem um receita de bolo. São metodologias e dados diferentes", disse. "Eu tomaria cuidado ao dizer que o IBC-Br sinaliza que o PIB vai estar em recessão."

Por enquanto, o ABC Brasil espera uma alta de 0,10% para o PIB no último trimestre de 2013 e um avanço de 2,10% no dado fechado do ano passado.
O economista-chefe da Quantitas Asset, Gustav Gorski, considera que a retração mensal e trimestral do IBC-Br evidencia a possibilidade de a economia estar em recessão. "Os dados antecedentes já sinalizavam uma economia fraca, mas o IBC-Br veio pior", explica. "O IBC-Br confirmou hoje uma provável recessão no Brasil", acrescentou. Gorski pondera, no entanto, que a recessão não é um cenário tão ruim se ajudar a inflação a convergir para a meta de 4,5% em 2015.

Na avaliação do economista-chefe do banco Besi Brasil, Flávio Serrano,"apesar de o indicador ter avançado 2,52% no ano passado, todo o crescimento ficou concentrado no primeiro semestre, motivado em grande parte por fatores pontuais como o Programa de Sustentação do Investimento (PSI)", afirmou. Na passagem de novembro para dezembro, o IBC-Br recuou 1,35%, prejudicado pelo desempenho do varejo e da produção industrial piores que em meses anteriores. Na comparação trimestral, o índice registrou a segunda queda consecutiva. "Tem gente que vai falar em recessão técnica, mas não é bem assim, é preciso esperar para ver se o PIB do quarto trimestre vem negativo. O que vale é o dado do IBGE", disse o economista.

Para Serrano, no entanto, o mais importante é perceber que a economia está estagnada e "sem saída". "A única coisa que estava melhor era o comércio, que também veio mal na divulgação de ontem", afirmou, referindo-se ao recuo de 0,2% das vendas no varejo, na margem, informado pelo IBGE. "O resultado mostra que começa a perder força o que até então estava sendo o motor da economia. O crescimento baixo está se espalhando para outros segmentos", afirmou.

Gabriela Lara, Gustavo Porto, Luciana Antonello Xavier e Maria Regina Silva - Agência Estado

Um comentário:

Anônimo disse...

A velhaca, vagabunda, arruaceira, que a única coisa que disse que ia fazer não fez. Disse que não ia tolerar mal feito, mas a única coisa que faz realmente e não so tolerar o mal feito como esconder debaixo do tapete as cagadas. Agora com quer continuar dando canetada a torto e a direito se veste dessa forma ridícula, graças ao marqueteiro pago a peso de ouro com o nosso dinheiro para dizer que esta próxima do povo. Ela esta próxima somente aos barrigas de aluguel que comem, bebem e tem benesses de primeiro mundo enquanto ao povo ela da uma solene banana. A única coisa que os arruaceiros fazem e estabelecer um curral eleitoral bolsa isso, bolsa aquilo para ficar no poder para sempre. As maquininhas de apuração dos votos também vao funcionar nas eleições. Maquininhas que contem sempre a favor dos mesmos que estão eternos no poder, os outros não tem chance. Por que tanto partido. Porque tanto ministério, por que tanto bunda sentada no congresso, so para confundir o povo, porque os marginais homens e mulheres de todos os partidos so trabalham dois dias na semana e o resto do tempo mesa de negociações para saber quem vai vender quem. E o povo sempre na rabada pagando e não podendo dar pitaculo em nada. Viva o brasil, em minúscula mesmo porque a bandeira do momento e dos aventureiros o pt. Estao defendendo os trambiqueiros contra tudo e contra todos. Na minha juventude não havia meio termo. Um ladrão era um ladrão, agora um ladrão e um politico que visita a nossa casa com encontro obrigatório para despejar suas mentiras e fajutices em nome de um partido que já se eternizou no poder com seus barrigas de aluguel desde que tivemos autorização para votar novamente e eles não inovaram em nada para melhoria de vida do povo brasileiro. So estabeleceram bolsa isso, bolsa aquilo eliminando a possibilidade das famílias trabalharem para concretizar seus sonhos, mas sim ficarem esperando a teta do pais para se alimentarem e ficarem na obscuridade e nunca realizarem seus reais sonhos. Os malandros pagando as bolsa para que os malandros das bolsas votem neles. Viva o Brasil estamos vendendo nossos sonhos a custa de pouco trabalho e nossos sonhos ficarem nos bueiros do partido dos trambiqueiros. A conta já, já, vai chegar. Toc, toc, toc. Não adianta mentir nem mascarar. Toc, toc, toc. Para quem roubou e para quem deixou roubar.Amem.