"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

setembro 07, 2013

PARAFRASEANDO UM CERTO NOVO MINISTRO DO STF... "ISSO ME IMPRESSIONA" : 4 mil x 5 mil = 20 milhões. OU : A bolsa eleição

http://1.bp.blogspot.com/-XCYHRXHJFlQ/Ue57DxlZelI/AAAAAAAAU8Q/3vlmdiHfO20/s320/20130722104304_cv_MEDICIMPORT~1_gde.jpg

“Não existe político honesto” — é frase que, de tão batida, está se transformando, não sem razão, em lugar-comum. 
Em matéria de honestidade política no Brasil, é verdade que precisa levantar cedo, levar uma boa lanterna, abrir bem os olhos e procurar muito. Gente fina está cada vez mais difícil de achar. 

Mas toda regra costuma ter exceções. 
Quem procura acaba encontrando.

O doutor Hélio Bicudo, jurista de formação, está entre os raros brasileiros que se encaixam no perfil estreito do homem público íntegro. Foi procurador e promotor de Justiça, secretário municipal, vice-prefeito de São Paulo.

Por breve tempo, foi até titular do Ministério da Fazenda. Hoje, aos 91 anos, conquanto guarde su


a visão aguda e lúcida sobre a sociedade, está menos envolvido na vida pública. Há um tempo para tudo.

Humanista e humanitário, doutor Bicudo sempre batalhou pela defesa dos direitos humanos. Quando alguns idealistas se reuniram, faz mais de 30 anos, para fundar um novo partido político com o intuito declarado de defender os interesses dos oprimidos e dos trabalhadores, 


Hélio Bicudo não hesitou:
 juntou-se ao grupo. 
Foi um dos membros fundadores do PT.

Os anos passaram, a Terra girou, o Brasil mudou muito.
 O partido do doutor Bicudo chegou ao poder maior, a Presidência da República. Mas a agremiação, na visão do jurista, estava desfigurada.

Havia-se arredado demais de sua vocação primeira. 
Sentindo que a confraria partia à deriva e que a generosidade e o idealismo do início se haviam perdido pela estrada, o doutor Bicudo, desencantado, apeou do bonde. Desfiliou-se do PT. 

Quem não tiver visto ainda, pode encontrar facilmente na internet o depoimento, com imagem e som, que Hélio Bicudo gravou alguns anos atrás. Discorre sobre o Bolsa Família. Revela que o programa de redenção dos miseráveis embutia um despudorado cálculo eleitoral: o esquema traria 40 milhões de votos para o partido e garantiria sua perpetuação no poder.

Visto que o antigo partido dodoutor Bicudo ainda continua empoleirado lá em cima, é de crer que tenha dado certo. Pelo menos até hoje.


Já faz tempo que se cogita, nas altas esferas, em importar médicos de Cuba. De uma só tacada, dois objetivos: 
mostrar preocupação com a saúde dos brasileiros e enviar um óbulo à dinastia reinante na ilha. No entanto, dada a resistência das associações que defendem os interesses dos médicos tupiniquins, a ideia foi deixada em banho-maria. 

As manifestações de junho desfiaram um rosário de pedidos de “mais”: mais escolas, mais segurança, mais transportes. Uma reivindicação sobressaía: mais médicos. Era o sinal pelo qual o Planalto esperava havia tempo! Na onda do clamor popular, era hora de agir rápido. A importação de médicos podia entrar na ordem do dia.

Muita crítica está sendo aventada diante dessa iniciativa do governo. Há quem perceba a introdução de uma medicina de duas velocidades: uma para o andar de cima, outra para o populacho. Muitos médicos brasileiros, por seu lado, consideram injusto terem sido obrigados a se esforçar mais que seus colegas cubanos para obter o mesmo diploma.
http://1.bp.blogspot.com/-oqMy5WmW8zI/UhjAtcMQcXI/AAAAAAAAbsM/nghuHTQGzvM/s400/acuba.jpg
Há quem veja na diferença de línguas um obstáculo intransponível. Outros temem que os estrangeiros não tenham recebido formação suficiente. Enfim, há críticas de todos os feitios, para todos os gostos. Quanto a mim, vejo, embutida nessa operação, uma jogada pra lá de astuciosa.


A graciosa leitora e o ilustre leitor certamente já estiveram alguma vez num consultório médico. Assim como católicos despejam seus pecados no confessionário, pacientes confiam ao médico segredos íntimos, daqueles que nem sempre se compartilham entre marido e mulher. 
O respeito cria uma relação de confiança. 

O paciente pouco instruído tende, com mais forte razão, a admirar o galeno e a ver nele quase um guru. Se o médico missionário, no recôndito do consultório, sugerir ao paciente que vote neste ou naquele candidato, terá boa chance de ser obedecido. 

Façamos as contas.
 São 4 mil médicos cubanos. 
Se cada um der 20 consultas por dia, serão 100 pacientes por semana. 
Em um ano, cada médico terá dado 5 mil consultas. 

Agora, ficou fácil: 
4 mil x 5 mil = 20 milhões. 
Em teoria, 20 milhões de pacientes terão uma conversinha reservada, a portas fechadas, com os missionários da ilha caribenha. 
Ano sim e outro também.

Se os missionários tiverem recebido bom treinamento como cabos eleitorais, seus discretos conselhos hão de granjear muitos milhões de votos para o embornal do partido no poder. 
Bem bolado, não?

José Horta Manzano Correio Braziliense 

Nenhum comentário: