"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

setembro 09, 2013

DOIS EM UM ! E NO DE(S)CÊNIO DA REPÚBLICA DO CACHACEIRO PARLAPATÃO/TORPES E A NADA E COISA NENHUMA ... A AUTOSSUFICIÊNCIA DE PETRÓLEO E PETEBRAS ESPIONADA

http://2.bp.blogspot.com/-I29XScuGQTo/UGN0GHXhCcI/AAAAAAAADfg/G_b_6IsPpzo/s320/lula-ma%25CC%2583os-sujas-petroleo.jpg

Em nossa série “Túnel do tempo” de hoje vamos regressar a 2006. 
É a inauguração da plataforma P-50 na Bacia de Campos. Repetindo o gesto de Getúlio Vargas, o então presidente Luís Inácio Lula da Silva suja sua mão de óleo negro e posa para a foto(acima).

Havia motivo para tanta celebração ufanista. Ou ao menos assim pensava o presidente. A P-50 era o marco tão esperado pelos nacionalistas desde que a Petrobras foi fundada, em 1953. Finalmente, após mais de meio século, a estatal, que gozara de monopólio absoluto no setor por quase todo esse tempo, chegaria a autossuficiência na produção de petróleo.

“O petróleo é nosso!”, bradaram todos os nacionalistas, de esquerda e de direita, por décadas. E agora, com a inauguração dessa grande plataforma, o país seria capaz de produzir a mesma quantidade consumida do ouro negro e seus derivados.

Não bastava celebrar a redução da necessidade de importação do importante produto; era preciso dar um tom todo especial a isso. O presidente Lula, então, chamou a conquista de “independência” e a comparou ao esforço de Tiradentes, que “ousou desafiar a idéia de que o Brasil não poderia ser independente”. 
A esquerda nacionalista foi à loucura.

Mas era tudo prematuro demais.
O cheiro de demagogia tomou conta do lugar. 
Lula teria, pelo visto, cantado vitória muito antes do tempo. Avançando para os dias de hoje, como está essa questão de autossuficiência do petróleo? 

Vejamos alguns dados do último balanço disponível da Petrobras:


Fonte: Petrobras

Como fica claro acima, a Petrobras ainda precisou importar 400 mil barris/dia de petróleo e derivados no primeiro semestre desse ano. Houve paradas programadas na produção, mas explicam apenas parte do problema. A tendência é de alta na necessidade de importação de petróleo.


Fonte: Petrobras

Vendo de outra forma a mesma coisa, a Petrobras utiliza praticamente toda a sua capacidade instalada, mas mesmo assim só é capaz de atender cerca de 80% da demanda. O restante tem que ser suprido pela importação mesmo.

Que fique claro o seguinte: 
a autossuficiência em si não é o mais importante. 
Isso é mentalidade mercantilista. 
Países desenvolvidos importam petróleo sem problemas, e focam naquilo que são mais competitivos. Por outro lado, países exportadores de petróleo muitas vezes são atrasados, corruptos e vítimas de regimes autoritários. Essa obsessão com o óleo viscoso é puro fetiche irracional.

Dito isso, claro que seria bom para o país ter um setor de petróleo mais dinâmico, com várias empresas privadas competindo para explorar nossos recursos naturais. Seriam mais divisas, mais dólares exportados permitindo a importação de outros bens e serviços.

O então presidente Lula não explorou essa visão racional da globalização quando comemorou (precipitadamente) a nossa autossuficiência. Para ele, era uma conquista análoga à independência. Agora sim, o Brasil ficaria livre da necessidade de importar petróleo!

Sete anos depois… ainda temos de importar 20% do que consumimos, pois a produção da Petrobras não consegue crescer no ritmo da demanda. Cresce pouco mais de 2% ao ano desde que o PT assumiu o poder, uma taxa medíocre.

Fonte: Petrobras

Como podemos ver, nada mais incômodo para populistas de plantão do que os fatos históricos. Nosso “túnel do tempo” está aqui para isso.

####################

A Petrobras foi espionada pelos americanos. O que eles descobriram? Ou: Quem tem amigo como o PT não precisa de inimigo externo.

Agora mexeram com nosso “orgulho nacional”. Afinal, o petróleo é nosso! Já posso até ver os nacionalistas babando de ódio porque a agência de segurança americana (NSA) espionou, segundo documentos vazados (a conta gotas e de forma seletiva) por Greenwald, a nossa querida Petrobras. Confesso que até eu fiquei muito irritado!

Afinal, há muitas dúvidas no ar, e nós, brasileiros, queremos respostas. Os americanos poderiam nos explicar melhor como foi que a Petrobras torrou quase um bilhão de dólares para comprar uma refinaria em Pasadena, no Texas, que não vale quase nada? Podem nos dizer como a estatal investiu tantos bilhões, aumentou tanto seu endividamento, mas não consegue fazer a produção crescer?

Sobre o caso da espionagem e a revolta cívica seletiva, meu vizinho virtual Reinaldo Azevedo já disse que deveria ser dito
aqui. Pretendo apenas quantificar um pouco a análise qualitativa do jornalista. Vamos ver alguns números da Petrobras, para compreender melhor que seu verdadeiro inimigo não são os americanos, mas sim nosso próprio governo, sob o comando do PT.

Em primeiro lugar, vejam quantos bilhões de dólares foram investidos apenas no setor de Exploração & Produção desde que o PT assumiu o poder:


Fonte: Petrobras

Trata-se de uma montanha de recursos! Após tantos bilhões destinados ao setor de exploração e produção, podemos imaginar que o resultado logo apareceu no crescimento de produção, certo? Errado. Estamos falando de uma estatal, ora bolas, e gerida por petistas! Eis, portanto, o resultado da produção total da empresa, em barris de óleo e equivalentes:

Fonte: Petrobras

É um crescimento medíocre, sendo benevolente com a empresa. Mais precisamente 2,3% ao ano desde 2003. A Petrobras alcançou a marca de 2 milhões de barris/dia em agosto de 2008, e em julho de 2013 sua produção era… 2 milhões de barris/dia!

A sensação que fica é a de que toneladas de recursos foram aportadas apenas para o crescimento se manter estável. Bem, sempre pode ser pior. A Venezuela que o diga. A PDVSA torra bilhões de dólares e a produção cai ano após ano! É o efeito do bolivarianismo na empresa.

Se os investimentos têm aumentado tanto e a produção não, então o endividamento deve ter explodido em relação ao valor de mercado da empresa, certo? Exato. É o que podemos verificar abaixo:

O impacto disso tudo pode ser observado quando comparamos o desempenho das ações da Petrobras (PBR) com uma cesta de empresas do mesmo setor (XLE). Toda a euforia com o Brasil, em boa parte fruto do crescimento chinês e do baixo custo de capital nos países desenvolvidos, dissipou-se nos últimos anos:
Fonte: Bloomberg
Explicando melhor: 
 a Petrobras já perdeu 80% de seu valor relativo a essa cesta de empresas do setor desde 2010! Nossa estatal é o “patinho feio” do setor de petróleo no mundo. Os investidores não querem saber dela. Sua destruição de valor para os acionistas – leia-se todos os brasileiros – é assombrosa.
 
Pergunto:
alguém precisa de espiões estrangeiros para destruir a Petrobras? Claro que não! Basta deixar o PT mais alguns anos tomando conta dela. Quem tem amigos como o governo do PT não precisa de inimigos…

Transcrito do original em : 

Nenhum comentário: