"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

agosto 26, 2013

BNDES colhe o que plantou



Embora tenha alcançado lucro líquido de R$ 3,3 bilhões no primeiro semestre do ano, 20,4% mais do que obteve na primeira metade de 2012, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vem. sendo forçado a absorver os resultados negativos das empresas nas quais aplicou quantias muito altas nos últimos anos.

A desvalorização das ações dessas empresas está obrigando a BNDESPar - seu braço para operações de participação no capital de companhias privadas - a registrar pesadas baixas contábeis, o que vem comprimindo seus lucros.
Estima-se que, com a desvalorização de sua carteira de ações, em razão do mau desempenho dos papéis de pelo menos cinco empresas, a BNDESPar teve de contabilizar uma baixa de R$ i bilhão no primeiro semestre do ano. Em consequência, como mostrou reportagem do Estado (21/8), seu lucro líquido no segundo trimestre de 2013 ficou em RjS 228 milhões, 66,7% menor do que o dos primeiros três meses do ano, No semestre, o resultado (R$ 639 milhões) foi 42,7% menor do que o do mesmo período de 2012.

O BNDES não informou quais participa
ções forçaram a baixa contábil, esclarecendo apenas que elas se referem a empresas não coligadas, isto é, aquelas nas quais o banco estatal tem participação acionária, mas não tem poder para interferir na gestão (no caso das empresas coligadas, o BNDES influi na administração).

Embora não decida sobre a administração das empresas não coligadas, em algumas delas o banco estatal tem participação importante. Um caso muito citado nos últimos meses é o da fabricante de produtos lácteos LBR, da qual a BNDESPar detém. 30,28% das ações. A constituição da empresa, seu desempenho e a participação do banco estatal no seu capital sintetizam a política recente do BNDES - cujos maus resultados a instituição oficial agora está sendo obrigada a registrar em seus balanços.


Criada em 2010 por forte estímulo do BNDES, a LBR resultou da fusão de duas empresas do setor. Na época, tinha 31 unidades em operação, mas, desde fevereiro do ano passado - quando pediu o regime de recuperação judicial e ainda era classificada pelo BNDES como empresa coligada vem encolhendo, Agora são apenas 12 unidades produtoras e o número de empregados caiu de 4,6 mil para 3,4 mil. No ano passado, o BNDES teve de provisionar R$ 865 milhões por causa dos problemas da LBR, No momento, uma empresa francesa negocia sua compra.

Outro caso é o do frigorífico Marfrig, do qual a BNDESPar detém 19,63%. Estimulado pelo banco estatal, o frigorífico fez várias aquisições, mas, há poucos meses, teve de se desfazer da mais importante delas, a do frigorífico Seara, que vendeu para seu concorrente, o frigorífico JBS - no qual igualmente o BNDES tem participação.

O banco não teve perdas expressivas com. as dificuldades pelas quais passam as empresas do Grupo EBX, do empresário Eike Batista - só a petroleira do grupo, a OGX, provisionou R$ 3,6 bilhões para perdas em razão dos maus resultados de alguns campos de petróleo pois é pequena sua participação nelas.
A BNDESPar detém 0,66% do capital da mineradora MMX e 0,26% da OGX, Mas, entre 2009 e 2012, o BNDES emprestou cerca de R$ 8 bilhões para as empresas do grupo.

Essas operações se enquadram na política de constituição daquilo que a diretoria do BNDES chamou de "campeões nacionais", empresas brasileiras com porte e poder para competir no mercado mundial.

http://3.bp.blogspot.com/-KpEW8fTE_SE/ThcVUsPThwI/AAAAAAAAHa4/2p-nsYoVAno/s400/bndes.preview.jpg

Setores e grupos empresariais escolhidos pelo banco receberam vultosos financiamentos, a juros inferiores aos do mercado privado, e aporte de capitais, mas em muitos casos, como alguns dos citados acima, seus resultados foram frustrantes.

Há alguns meses, em entrevista ao Estado, o presidente do BNDES, Luciano Cantinho, embora discordasse da expressão "campeões nacionais", reconheceu que "a promoção da competitividade de grandes empresas de expressão internacional é uma agenda concluída". Os resultados dessa política, porém, estão surgindo e persistirão -onerando o Tesouro, isto é, os contribuintes.


O Estado de São Paulo

Nenhum comentário: