"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

julho 11, 2013

SEM "MARQUETINGUE" II ! COM A "MAIS PREPARADA 1,99" SEGUNDO O PARLAPATÃO CACHACEIRO : Calote sobe, venda cai

http://3.bp.blogspot.com/-cDz61iDLaLA/UA8aGfUi2sI/AAAAAAAAFwA/WLrNC3k7RLs/s1600/MED_12.07.19-19.02.10-00rs0719a.jpg
A taxa de inadimplência no varejo subiu 1,13% em junho ante maio, segundo dados divulgados ontem pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC-Brasil).

Nos últimos 12 meses, a alta dos calotes foi de 1,52%. 
Além das dificuldades para receber as dívidas, o comércio vendeu menos 3,74% em junho frente a maio, devido principalmente à elevação do dólar e dos juros e às manifestações que tomaram conta das ruas do país. Foi o terceiro recuo seguido.

No período de 12 meses, o crescimento do comércio foi de 0,67%, considerado mínimo por Roque Pellizzaro, presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Segundo Pellizzaro, o cenário no segundo semestre continuará preocupante para o setor varejista. “Nossa expectativa é de que a inflação feche o ano no teto da meta (6,5%), muito alta ainda”, disse.

O economista do Espírito Santo Investment Bank, Flávio Serrano, concorda que junho não foi favorável para os lojistas. Mas para ele, o varejo terá desempenho positivo ao longo do ano. “Frente ao PIB, o setor apresentará bons números”, afirmou.

Otimismo não partilhado pela CNDL, que revisou o crescimento de 6% para 5%. “Se os juros aumentarem, esse índice pode cair para 4,5%”, disse Roque.

O professor Roberto Piscitelli, da Universidade de Brasília, acredita que a alta de juros não vai conter o consumo, mas aumentar a dívida das famílias.
Correio Braziliense

Nenhum comentário: