"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

maio 10, 2013

E NO DE(s)CÊNIO DO brasil maravilha DOS FARSANTES E FALSÁRIA 1,99 ... Brasil: um país de consumidores

O PT veiculou ontem mais uma peça de ficção em cadeia nacional de rádio e TV. O programa partidário dos mensaleiros faz uso das mistificações de sempre, apresenta um país muito diferente do real, sugere que o Brasil inexistia até 2003 e ignora que aqui vivam cidadãos. 
Para o PT, somos todos agora meros consumidores.

Em seus dez minutos de duração, o programa é um ato de campanha eleitoral. Mais uma vez, vincula umbilicalmente a atual presidente a seu antecessor, talvez para não ter que enfrentar a dura constatação de que, passados quase dois anos e meio, o governo de Dilma Rousseff praticamente inexiste.

Quando apresenta realizações, o PT ou apropria-se de feitos alheios ou, muitas vezes, lança mão de informações gelatinosas. 
 
Como, por exemplo, quando fala do número de empregos gerados nos últimos dez anos: 
foram muitos, é verdade, mas nenhuma estatística oficial disponível no Ministério do Trabalho chancela os mais de 19 milhões de vagas que o partido apregoa ter criado. 
 A diferença se conta na casa dos milhões.

Os petistas também falam em 41 mil bolsas concedidas a estudantes por meio do Ciência sem Fronteiras, repetindo o mesmo número que Dilma usara em pronunciamento à nação em 1° de maio. Recentemente, porém, a
Folha de S.Paulo mostrou que as estatísticas estão inchadas por bolsistas que nada têm a ver com o programa e o total de beneficiários não chega nem à metade do que o governo diz.

Na seção das mistificações, há as de sempre. 
Dilma apresentada como quem está "moralizando o serviço público" talvez seja a mais risível delas - desta vez, pelo menos, nos pouparam de vê-la posando na TV como "gerente eficiente"... 
 
Mas há também a falácia de que o governo petista está "combatendo a inflação de forma implacável", vocalizada pelo insuspeito Guido Mantega.

Não faltaram também as promessas de que, agora, enfim, virão as melhorias na nossa caquética infraestrutura: milhares de quilômetros de rodovias e de ferrovias, novos portos, usinas e linhas de transmissão. A julgar pela vacilação em torno da definição das regras de concessão, num eterno jogo de tentativa e erro, e da total incapacidade de arbitrar as mudanças no marco legal do setor portuário, é melhor esperarmos sentados...

Mas um dos aspectos mais evidentes da propaganda, e que também tem marcado os posicionamentos petistas nos últimos tempos, é a redução dos cidadãos brasileiros à condição de simples consumidores. Ontem, o PT se apresentou como o partido que "ajudou o brasileiro a consumir mais e melhor", "valorizou o consumidor" e transformou shoppings em "direito de todos". 
 
Valesse ainda o slogan do governo Lula, poderíamos dizer: 
Brasil, um país de consumidores.

É curioso que o partido que passou longos anos pregando as fracassadas ideias socialistas, hoje tente se caracterizar como a agremiação que abriu as portas do mercado de consumo para milhões de pessoas. Conquistas e direitos da cidadania parecem não interessar mais. 
Deve ser por que, como diz Rui Falcão no programa, eles "não se prenderam a velhos dogmas"...

O que realmente interessa para a melhoria das condições de vida da população é apresentado como um desafio futuro. Dar saúde, educação e segurança que prestem aos brasileiros seria a próxima etapa do venturoso projeto petista. "A questão básica agora é qualidade", diz a presidente-candidata. 
 
Mas só agora, Dilma? 
Só onze anos depois de o PT subir ao poder? 
Com mais da metade de seu mandato perdido em torno do nada?

Por trás desta visão de mundo, parece estar também a forma pela qual o PT encara os brasileiros: 
"Boa parte da nossa população não está preparada para um mundo cada vez mais desenvolvido e altamente competitivo", diz Dilma.

Será que os governos petistas não tiveram tempo suficiente para mudar isso?
Ou será que a opção foi deixar tudo como está?

Por tudo o que se viu ontem na TV, os petistas demonstram preferir que assim os brasileiros permaneçam, a fim de que continuem a ser usados como massa de manobra de suas políticas nada emancipatórias, seu discurso mentiroso e sua maneira torpe de retratar a realidade do país.

Agradar consumidores é sempre mais fácil do que enfrentar cidadãos.
Fonte: Instituto Teotônio Vilela
Brasil: um país de consumidores

Um comentário:

ANTONIO RUBILAR BARBOSA VALENTE disse...

Parabéns amigo querido, pela data especial, que a Paz e Amor apesar de não ser Fórmula 1, sejam sempre uma "dobradinha" constante na vida de sua mãe.Hoje e Sempre!Feliz Dia das Mães!!
Com o carinho de sempre do amigo,
Rubi Valente.