"Um povo livre sabe que é responsável pelos atos do seu governo. A vida pública de uma nação não é um simples espelho do povo. Deve ser o fórum de sua autoeducação política. Um povo que pretenda ser livre não pode jamais permanecer complacente face a erros e falhas. Impõe-se a recíproca autoeducação de governantes e governados. Em meio a todas as mudanças, mantém-se uma constante: a obrigação de criar e conservar uma vida penetrada de liberdade política."

Karl Jaspers

agosto 30, 2012

GOVERNO CENTRAL : Superávit fiscal de julho somou R$ 4 bi; 65% menos que 2011

http://3.bp.blogspot.com/__OZv-1o63BY/Se35Yvet7vI/AAAAAAAADw4/w6xtQuzxGQg/s200/superavit.gif
O governo central - Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC) - teve um superávit primário de R$ 3,98 bilhões em julho, o terceiro pior resultado do ano. A economia no mês passado para pagar juros da dívida representa queda de R$ 7,4 bilhões, ou quase 65% em relação ao saldo obtido no mesmo período do ano anterior.


O Tesouro foi responsável pela maior parte do resultado, com superávit de R$ 6,6 bilhões, enquanto a Previdência e o BC registraram déficits de R$ 2,6 bilhões e R$ 34,6 milhões, respectivamente.

Com esse resultado, o superávit das contas públicas chegou a R$ 51,9 bilhões nos primeiros sete meses do ano, ou 2,06% do Produto Interno Bruto (PIB). A maior parte desse esforço ocorreu em janeiro, quando o saldo foi de R$ 20,8 bilhões. Na comparação com o acumulado do ano passado, a queda é de R$ 15,4 bilhões.

"Medidas não afetam meta"

O secretário do Tesouro, Arno Augustin, destacou que a meta para o quadrimestre encerrado em agosto já foi ultrapassada em 13% em julho e que o país não terá dificuldades para atingir a meta do ano: um saldo de R$ 96,97 bilhões.

Mas, faltam R$ 45,07 bilhões para que se cumpra a meta cheia de 2012, o que significa que o superávit mensal médio do segundo semestre deve ficar em R$ 9 bilhões, valor bem além do saldo das contas do governo central desde maio.


Para Augustin, nem as medidas anticíclicas, como desonerações tributárias, adotadas para estimular a economia, deverão afetar o desempenho das contas públicas este ano:
- Estamos tomando as medidas adequadas. Isso não implica mudanças na meta fiscal.

Vivian Oswald O Globo

Nenhum comentário: